Catarina Martins saúda concordância de Rui Rio com propostas do BE sobre Novo Banco

Catarina Martins disse agora esperar que o PSD "seja consequente" no Parlamento na hora da votação sobre a realização da comissão de inquérito.

A coordenadora do Bloco de Esquerda saudou esta terça-feira a concordância de Rui Rio com a comissão de inquérito e a auditoria ao Novo Banco, mas lembrou que o PSD "foi um dos obreiros da solução" para o BES.

Em Braga, à margem de uma visita ao Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da Universidade do Minho, Catarina Martins disse agora esperar que o PSD "seja consequente" no Parlamento na hora da votação sobre a realização da comissão de inquérito.

"Registamos que, finalmente, o Bloco de Esquerda (BE) não está sozinho em algumas das coisas que tem vindo a dizer ao longo do tempo e isso é importante", referiu Catarina Martins.

Na segunda-feira, em entrevista ao programa Polígrafo da Sic Notícias, o líder do PSD, Rui Rio, sugeriu que seja realizada uma auditoria ao Novo Banco por uma instituição pública como o Tribunal de Contas (TdC) e disse estar disponível para aprovar a proposta de comissão de inquérito feita pelo BE.

"O PSD foi um dos obreiros da solução para o BES, com o fundo de resolução (...). Ainda bem que o PSD compreende que foi um erro o que se fez até agora no BES e no Novo Banco. Teria sido importante há mais tempo, teria sido importante em 2014 não se ter feito o fundo de resolução", reagiu a líder do BE, afirmando que essa solução custou "milhares de milhões de euros" aos contribuintes portugueses.

A criação de uma comissão de inquérito sobre o tema irá ser votada na próxima sexta-feira, com propostas no parlamento de PS, BE, Iniciativa Liberal e Chega.

Catarina disse esperar que todos os partidos tenham noção da "absoluta necessidade de perceber o que se está a passar no Novo Banco e de travar o que tem sido a lesão do erário público, com uma gestão "no mínimo duvidosa".

Em relação à auditoria, o BE defende que seja feita por uma "comissão pública" constituída pelo Banco de Portugal, a Inspeção-Geral de Finanças e o Tribunal de Contas, de forma a juntar competências legais às competências de investigação.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de