CDS-PP questiona ministra da Saúde sobre utilização da StayAway Covid

Deputadas Ana Rita Bessa e Cecília Meireles querem saber quantos casos já foram registados na app e quantas cadeias de propagação foram identificadas.

O CDS-PP questionou esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta Temido, sobre a utilização da aplicação StayAway Covid, para esclarecer quantos casos foram registados e se os profissionais de saúde estão a fornecer os códigos necessários para o registo.

Na pergunta, endereçada à ministra da Saúde através da Assembleia da República, as deputadas Ana Rita Bessa e Cecília Meireles questionam "quantos casos já foram registados na app StayAway Covid, desde o seu lançamento oficial" e também "quantas cadeias de propagação já foram identificadas" através desta aplicação.

As deputadas querem saber ainda "que mecanismos tem o Governo ao seu dispor para garantir que os códigos, quando gerados, são fornecidos e inseridos" na aplicação.

No texto, é referido que a aplicação StayAway Covid "está em uso desde há cerca de três meses", mas "só tem utilidade se, ao ser diagnosticado um caso, a pessoa infetada receber um código de 12 dígitos gerado pelo médico do SNS, único e válido para uma só utilização", código esse que deve ser voluntariamente introduzido "nas 24 horas seguintes" para que "as pessoas com quem teve contactos de risco nos últimos 14 dias possam ser notificadas".

"No entanto, e apesar de, segundo informação tornada pública, mais de 2,5 milhões de portugueses já terem instalado a 'app' nos telemóveis, têm sido várias as notícias que dão conta de que apenas cerca de 1% de novos casos são reportados, quer porque os profissionais de saúde não fornecem o código em tempo útil necessário, ou não fornecem de todo, quer porque os próprios utilizadores não o introduzem na StayAway Covid", aponta o CDS.

"Por que razão os médicos e/ou técnicos do SNS [Serviço Nacional de Saúde] não estão a fornecer os códigos necessários para inclusão na app StayAway Covid?", perguntam também as democratas-cristãs.

De acordo com as centristas, "acresce ainda que uma parte significativa da população portuguesa, incluindo a mais vulnerável, não tem os equipamentos móveis necessários para instalação e uso" da aplicação, e "tudo isto coloca em causa a operacionalização e utilidade da StayAway Covid".

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.612.297 mortos resultantes de mais de 72,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 5.649 pessoas dos 350.938 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 23 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de