Chicão diz que António Costa "cheira" a Medina e avisa que bloco central "é perigoso"

Francisco Rodrigues dos Santos disse, esta tarde, em Mirandela, no distrito de Bragança, que António Costa cheira a Fernando Medina, como que perspetivando uma derrota socialista nas legislativas de domingo. O líder do CDS alertou ainda para o perigo de o país ficar com um bloco central.

Na chegada a Mirandela, Chicão tinha à sua espera dezenas de apoiantes, entre eles o último deputado eleito pelo partido no círculo eleitoral de Bragança, em 1984. Volvidos 38 anos, Hernâni Moutinho diz que será uma tarefa quase impossível o CDS conseguir um novo deputado, num distrito que só elege três. "Não me orgulho nada de ter sido o último deputado eleito no distrito, tenho pena que seja assim e as perspetivas nesta campanha são as mesmas de não termos nenhum deputado."

E numa análise ao que pode acontecer no país, Hernâni Moutinho também não parece nada otimista. "Diria que se perspetiva a possibilidade de o CDS não ter representação parlamentar, embota tenha a esperança que nestes dias que faltam ainda se consiga reverter a situação e conseguir eleger um ou dois deputados", conclui.

Francisco Rodrigues dos Santos admite que será difícil eleger António Mendonça, o cabeça de lista por Bragança, mas prefere contra atacar com uma proposta concreta para mudar o sistema político a bem do interior. "Passa por um sistema misto, com círculos plurinominais e uninominais em que as escolhas são feitas pelos eleitores para indicar o deputado que querem ver na Assembleia da República e redefinir os círculos eleitorais para dar maior peso e representatividade ao interior para que tenham voz em Lisboa"

Chicão reafirma que não defende a regionalização, mas antes uma administração de proximidade. "A regionalização multiplica o que é mau e divide o que é bom, pelo que pretendemos uma administração de proximidade que descentralize serviços públicos do Estado em delegações distritais para dar qualidade de vida a quem aqui vive.

Na arruada pela rua pedonal da cidade, numa loja de produtos regionais, o comerciante até dá um conselho ao líder do CDS: "Vai-se juntar ao PSD, ao PAN, à Iniciativa Liberal e fazem uma geringonça do lado direito e só assim é que lá vão". Ao que Chicão respondeu; "Mas o PAN quer acabar com isto tudo, não nos podemos coligar com eles".

A propósito de alianças, Francisco Rodrigues dos Santos avisou para os perigos que podem advir de um bloco central. "Ao longo da nossa história, o bloco central de interesses tem divido o Estado pelas clientelas, pelos amigos, pelas estruturas de poder, pelo nepotismo e é completamente avesso às reformas de que o país precisa", disse.

O líder do CDS reafirmou que o seu partido "é a solução para uma maioria de direita no próximo Governo", até porque acredita que a António Costa vai acontecer o mesmo que a Medina nas autárquicas em Lisboa. "No nosso país, neste momento cheira a final de ciclo, António Costa cheira a Fernando Medina, cheira a uma derrota do partido socialista no país e recordo os portugueses quem foram os países que se entenderam em Lisboa para tirar a cidade do socialismo e a devolver aos lisboetas. Foi o PSD e o CDS", concluiu.

De Mirandela, Francisco Rodrigues dos Santos seguiu ao encontro de apoiantes em Viseu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de