Costa apoia Guterres: um mandato "exemplar" nos anos "mais difíceis da ONU"

O chefe do Governo português apoia a recandidatura de António Guterres a mais cinco anos à frente das Nações Unidas.

O primeiro-ministro formalizou, esta quarta-feira, o apoio à recandidatura de António Guterres no cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

António Costa assinou a carta a formalizar a proposta do executivo português, documento endereçado ao presidente da Assembleia-Geral da ONU e à presidência do Conselho de Segurança, este mês assegurada pelo Reino Unido.

O primeiro-ministro defendeu "a liderança firme" de Guterres, em cinco anos "particularmente difíceis", em que se assistiu ao regresso dos nacionalismos e ao isolamento, sem fazer referência direta ao antigo presidente norte-americano Donald Trump.

O chefe do Governo português considera que o primeiro mandato de Guterres foi "exemplar" e abre a esperança de um novo tempo.

O português António Guterres ocupa o cargo de secretário-geral das Nações Unidas desde 2017 e termina o mandato no final deste ano, a 31 de dezembro.

O antigo primeiro-ministro de Portugal anunciou, em janeiro, a sua disponibilidade para cumprir um segundo mandato de cinco anos.

As Nações Unidas deram início este mês ao processo formal de seleção do próximo secretário-geral da organização, ao pedirem aos 193 Estados-membros que submetessem os nomes de candidatos ao cargo.

O próximo mandato do secretário-geral da ONU começa em 2022 e a renovação no cargo tem sido uma constante, com apenas uma exceção, quando os Estados Unidos da América bloquearam a recondução do egípcio Boutros Ghali, em 1996.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de