Costa avisa que a votação na generalidade do OE2021 é a da "clarificação política"

De acordo com o líder do executivo, perante esta proposta de Orçamento, "a posição da direita é clara" face às razões que invoca para o voto contra.

O primeiro-ministro considerou esta terça-feira que a votação da proposta de Orçamento na generalidade é a "da clarificação política", num discurso em que prometeu abertura para o trabalho conjunto na especialidade, mas sem incluir o Bloco de Esquerda.

"A votação na generalidade não é a votação final, mas é a votação da clarificação política. A votação sobre qual o caminho a seguir", declarou António Costa na parte final da sua intervenção na abertura de dois dias de debate na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021.

De acordo com o líder do executivo, perante esta proposta de Orçamento, "a posição da direita é clara" face às razões que invoca para o voto contra.

"A posição do PS é clara e totalmente coerente com as opções assumidas nestes cinco anos de governação. As posições do PCP, do PAN, do PEV, das deputadas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues são também muito claras e mostram que há quem não desista de encontrar soluções para a crise que enfrentamos. Iremos continuar a trabalhar com humildade democrática, seriedade e espírito de compromisso para em sede de especialidade melhorarmos, com os seus contributos, a proposta que apresentamos", declarou o primeiro-ministro.

Neste ponto referente aos trabalhos na especialidade, António Costa não fez qualquer referência ao Bloco de Esquerda - força política que já anunciou o seu voto contra a proposta orçamental do Governo na generalidade.

Na parte mais política da sua intervenção, o primeiro-ministro procurou traçar uma linha de demarcação ideológica face ao PSD, CDS, Iniciativa Liberal e Chega, mas também visou indiretamente o Bloco de Esquerda "por se juntar à direita" na votação desta quarta-feira.

Na perspetiva de António Costa, "as propostas de Orçamento não são anódinos exercícios tecnocráticos, inodoros e incolores", sobretudo, porque "assentam em opções políticas, determinadas por valores e distintas visões da sociedade".

Por isso, para o líder do executivo, o presidente do PSD, Rui Rio, "tem, razão quando diz que este é um Orçamento de distribuição solidária".

"Esta proposta não é exceção e dá naturalmente continuidade, sem qualquer recuo ou interrupção, à mudança que iniciámos há cinco anos, ao virar a página da austeridade para permitir mais crescimento, melhor emprego, maior igualdade, com contas certas. Agora, como então, a crise não se enfrenta com austeridade. Agora, como então, é necessário valorizar os rendimentos, aumentar o investimento, reforçar os serviços públicos", defendeu.

Por isso, para o primeiro-ministro, "não surpreende a oposição da direita, encabeçada pelo PPD-PSD, a um Orçamento que valoriza os rendimentos das famílias e o investimento público como motores da recuperação económica e que elege o reforço do SNS (Serviço Nacional de Saúde) como a prioridade no combate à pandemia".

"Em democracia, há sempre alternativas e a sua vitalidade reforça-se com a clareza da sua afirmação", sustentou.

Depois, deixou uma mensagem crítica dirigida ao Bloco de Esquerda, mas sem citar esta força política: "É claro que é possível defender que devemos ser mais ousados a avançar no caminho que este Orçamento traça, procurando superar limitações ou insuficiências".

"O que não é possível é pretender querer ir mais longe ou mais rápido por este caminho, juntando-se agora à direita que marcha em sentido oposto", acrescentou, recebendo uma prolongada salva de palmas dos deputados da bancada socialista.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de