Costa fala em "solução equilibrada" e pede "pacto social" para que todos votem em segurança

O secretário-geral do PS reagiu, em Beja, às conclusões do parecer da Procuradoria-Geral da República que foram anunciadas, esta quarta-feira, pela ministra da Administração Interna.

António Costa admite que a solução para o voto dos eleitores em confinamento é "equilibrada", e ninguém pode ficar privado do direito ao voto, como indica o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR). O primeiro-ministro pede "um pacto social" entre todos os eleitores.

Numa ação de campanha em Beja, António Costa lembrou que o Governo só pode fazer recomendações, "e não impor restrições" e pediu um "pacto social", utilizando a "expressão feliz" da ministra da Administração Interna, Francisca Van Dunem.

"Há uma hierarquia de direitos, e o direito ao voto é um direito fundamental, em circunstância alguma ninguém pode ser privado. Temos de garantir que todos têm esse direito. Por isso, temos de ter um pacto social: quem não está isolado tem de votar até às 18h00, e quem está isolado vota depois das 18h00", disse.

António Costa explicou ainda que o Governo decidiu recomendar a última hora antes do encerramento das urnas, para que "todos os membros das mesas de voto possam ter equipamento especial de proteção para estarem mais seguros".

"É uma solução equilibrada", notou.

O tão esperado parecer da PGR sobre a possibilidade de voto de quem está em confinamento obrigatório no dia 30 de janeiro, data das eleições legislativas, chegou esta quarta-feira às mãos do Governo. Com o documento em sua posse, Francisca Van Dunem revelou que os eleitores que estiverem em confinamento obrigatório vão poder sair de casa para votar e explicou já algumas das regras que estão em cima da mesa.

Quem estiver em confinamento obrigatório no dia 30 de janeiro, dia das eleições legislativas, vai poder sair de casa para exercer o direito de voto.

O parecer da PGR sugere que as pessoas em confinamento tenham um horário específico para votar, de modo a "evitar a aglomeração de pessoas infetadas e não infetadas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de