Cotrim Figueiredo acusa Ventura de não ser confiável. Líder do Chega diz que IL só quer saber do lucro

Em debate, líderes do Chega e da IL discordaram em tudo, mesmo quando o tema foi Rui Rio a liderar um governo.

São vizinhos de bancada no Parlamento, mas, frente a frente, não pouparam nas munições. André Ventura e João Cotrim Figueiredo discordam em quase tudo, desde logo na leitura que fazem do adversário. Se, para o líder da IL, "o Chega não é confiável, porque André Ventura diz tudo e o seu contrário", para Ventura, "a Iniciativa Liberal não é de esquerda nem de direita. É do lucro".

Sem perder o ritmo, os presidentes dos dois partidos da direita parlamentar trocam acusações sobre Novo Banco, TAP, drogas leves e cursos superiores, com o líder da Iniciativa Liberal a lançar mais uma farpa.

Para Cotrim Figueiredo, além de não ser confiável, "o Chega não é competente". Exibindo cópias dos programas dos dois partidos, o líder da IL sustenta: "O resumo do nosso programa tem mais densidade que o programa do Chega todo. Já vi trabalhos do secundário com mais densidade".

Segurança social e pensões trazem à coação mais diferenças, com Ventura a reescrever argumento dos apoios sociais, que descreve como sendo "a bandalheira total". "Ontem tivemos a notícia de que havia indivíduos a receber apoios sociais que andavam de Porsche", asseverou, com Cotrim a reagir com ironia. "Esta é a grande novidade do debate. É que os Mercedes passaram a Porsches", ripostou.

E se o futuro levasse Rui Rio a São Bento, os dois potenciais parceiros também fariam leituras distintas. Ventura defende que "Rui Rio nunca seria o primeiro-ministro que Portugal precisa". Já o líder da Iniciativa Liberal considera que se "Rio tiver um bom programa e parceiros que o obriguem a cumpri-lo, pode ser um primeiro-ministro", acrescentando que "precisa da IL" como parceira.

Se Rio os compra ou não, logo se vê. A campanha ainda vai no adro...

TUDO SOBRE AS LEGISLATIVAS DE 2022

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de