Deputado do Chega queixa-se de discriminação racial no parlamento

Gabriel Mithá Ribeiro falhou eleição para vice-presidência da Assembleia da República e afirma que o chumbo tem "interpretação racial" e que está posta em causa a "liberdade do homem negro".

Pode um chumbo no parlamento português ter uma componente de discriminação racial? Para o deputado Gabriel Mithá Ribeiro, do Chega, pode e tanto pode que é essa a justificação que encontra para o facto de o nome dele ter sido chumbado para a vice-presidência da Assembleia da República.

"Isto tem de ter uma interpretação racial num regime que anda há décadas a defender que é antirracista, que é a favor das minorias, contra a discriminação e financia organismos com esse propósito. Fica aqui claro hoje que uma coisa é o discurso e a outra é a prática", sublinha Mithá Ribeiro.

Ao lado de Diogo Pacheco de Amorim, primeiro nome do Chega chumbado para o cargo, e de André Ventura, Mithá Ribeiro até usa uma expressão racista para diferenciar negros de direita e negros de esquerda: "Se uma pessoa é negra e é de direita [o deputado diz esquerda por lapso] é tratado, desculpem a força da expressão, mas esta expressão tem um significado, é tratada como se tratam os pretos, isto é, eu interpreto isto pessoalmente como um símbolo de rejeição", afirma o deputado para quem está ser impedida "a liberdade do homem negro".

No entender do deputado de origem moçambicana, "se uma pessoa é negra e de esquerda, é tratada com alguma dignidade, se é negra e politicamente neutra, tende a ser apagada das instituições". "O homem negro ou é de esquerda ou é neutro, se é de direita não conta no jogo", argumenta ainda o deputado que tem obra académica sobre racismo e questões raciais, embora não acredita que exista racismo estrutural em Portugal.

Mithá Ribeiro, que distingue "racismo" de "questões raciais", foi repetidas vezes confrontado com a pergunta sobre se considera ter sido vítima de um ato racista no parlamento português, mas não responde taxativamente. "Não sou obrigado a dizer sim ou não à sua pergunta, o que digo é que uma coisa é dizer questão racial, outra é dizer racismo", defende Mithá Ribeiro.

Ventura, ao lado, quando confrontado sobre se comunga da perspetiva do deputado, não responde, deixa a bola nas mãos de Pacheco de Amorim, o outro nome rejeitado desta tarde que também foi confrontado com a pergunta sobre se reconhece que as minorias podem ter dificuldades no percurso por causa da cor de pele.

"Isso é uma questão que não me compete a mim discutir, o doutor Gabriel Mithá Ribeiro, como disse e especificou, é especialista nessa área e eu não me vou meter em áreas que não conheço com pensamento que não conheço", diz Pacheco de Amorim que, a não querer falar do que não sabe, deu por terminada esta conferência de imprensa de quase meia hora nos Passos Perdidos da Assembleia da República.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de