Funcionários diplomáticos "estavam identificados". Portugal enviou 60 toneladas de "material de guerra" para a Ucrânia

O ministro dos Negócios Estrangeiros vai participar na reunião da NATO, onde a guerra na Ucrânia voltará a ser "o grande tema".

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, explicou que os diplomatas russos expulsos de Portugal tinham atividades "contraditórias com o seu estatuto" e que já estavam identificados.

"São funcionários que estavam a trabalhar de uma forma que punha em causa os interesses da defesa nacional. Portanto, naturalmente, tomámos a decisão adequada. Estavam a desenvolver atividades contrárias à segurança nacional e que também era contraditórias com o seu estatuto diplomático", disse o ministro à entrada da reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO.

Cravinho revelou que essas pessoas já "estavam identificadas" e foi decidido "que este era o momento certo para lhes dizer que deveriam sair do país".

O ministro dos Negócios Estrangeiros também adiantou que Portugal tem ajudado a Ucrânia, "já enviou mais de 60 toneladas de material de guerra e enviará mais no futuro".

"Material seja defensivo ou seja ofensivo", garante o ministro.

Relativamente ao conflito, que é "o grande tema" da reunião, continuará a existir "a concertação entre aliados para penalizar o invasor" e "a tendência é para se acentuarem as sanções".

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de