Em Isna vota-se para "descarregar a consciência". Em 2016 foi a freguesia com mais participação

Quase 80% da população de Isna, freguesia de Castelo Branco, votou nas eleições presidenciais de 2016. Embora seja uma freguesia muito envelhecida, e com poucas pessoas, quem lá mora faz questão de votar.

Teresa da Conceição garante que nunca deixou de participar num ato eleitoral: "Sempre votei, tem de se descarregar a consciência." Enquanto conduz as cabras de volta ao curral, Teresa assegura que em Isna "vão todos deitar o voto, mas cada um deita para seu lado", e que só desta forma é que "as coisas andam para a frente".

Em 2016, a freguesia que teve a maior taxa de participação nas eleições presidenciais foi Isna, no concelho de Oleiros, em Castelo Branco. Dos 194 inscritos, houve 152 votantes, 78,35% da população. Estes são números que não deixam Manuel dos Santos admirado, que já sabe que na sua terra "as pessoas votam, mesmo os velhotes. O pessoal vai votando, não ficam muitos em casa. Abstenções há poucas, não há é pessoal", lamenta.

Manuel dos Santos já trabalhou na Junta de Freguesia de Isna e considera que a alta taxa de participação acontece porque as pessoas têm uma grande ligação ao poder local. "Por Lisboa é diferente, não se conhecem uns aos outros. Aqui não, a gente vota pela pessoa que vê que merece", assegura.

A população desta freguesia está cada vez mais envelhecida, mas Maria Celeste diz que quem consegue sair de casa não deixa de exercer o seu direito. "Temos esse hábito. Nunca ficámos sem votar, nunca", conta, ao mesmo tempo que explica que "os que não são capazes de ir ficam em casa, mas o que são capazes, vão todos".

Apesar da pandemia, os habitantes de Isna garantem que, em janeiro, não vão deixar de participar no ato eleitoral.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de