Estatuto do Ministério Público aprovado no parlamento

PS, CDS/PP, PCP e Verdes votaram a favor. O Bloco de Esquerda e o PAN abstiveram-se. A nova tabela salarial prevê aumentos de 700 euros, o que permite os procuradores-gerais-adjuntos, no topo da carreira, possam auferir um vencimento superior ao salário do primeiro-ministro.

A proposta de lei de revisão do Estatuto do Ministério Público foi aprovada esta sexta-feira no Parlamento com os votos a favor do PS, CDS/PP, PCP e Verdes, contra do PSD e a abstenção do BE e do PAN.

O diploma, que se revelou polémico durante o processo legislativo, regula questões como a autonomia do Ministério Público (MP), composição do Conselho Superior do MP e atribuições e competências da Procuradoria-Geral da República na designação dos diretores do MP.

À semelhança do que sucedeu com a aprovação do Estatuto dos juízes, o diploma, aprovado esta sexta-feira em votação final global, contempla uma nova tabela salarial dos magistrados do MP, que prevê aumentos até 700 euros e que permitindo que os procuradores-gerais-adjuntos, no topo da carreira, possam auferir um vencimento superior ao salário do primeiro-ministro.

Em termos remuneratórios, alarga ainda de 12 para 14 vezes ao ano o pagamento do subsídio de compensação, valor que, segundo o PSD, que votou contra o diploma, está isento de IRS e passa a integrar o vencimento base dos magistrados de forma "vitalícia e eterna".

A aprovação do novo Estatuto do MP era uma reivindicação antiga da classe e que levou o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) a realizar greves em finais de junho por considerar que algumas das propostas em discussão no parlamento punham em risco a autonomia do MP e da própria investigação criminal.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados