"Este não é o fim da história." Portugal "alinhado" com novas sanções ao petróleo russo

João Gomes Cravinho diz que "as modalidades técnicas estão a ser discutidas", mas que o petróleo russo deverá ser alvo de um embargo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, revelou que Portugal estará alinhado com a União Europeia para as novas sanções à Rússia que abranjam o petróleo, depois das apresentadas na última semana que englobavam o carvão.

"Sabemos que este não é o fim da história. Terá de haver uma intensificação das sanções nas próximas semanas. Sabemos que essa intensificação passará pelo petróleo e Portugal está alinhado com esse movimento", disse o ministro à entrada da reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

"Há unanimidade no sentido de se considerar que é necessário intensificar as sanções para obrigar a Rússia a refrear o seu caminho. O que acontece, no entanto, é que o impacto das sanções é assimétrico. Não é igual em Portugal e na Eslováquia. Portanto, essas assimetrias têm de ser tidas em conta. Nós somos um conjunto de países solidário e, temos de ter isso em conta quando desenhamos o pacote de sanções", explica João Gomes Cravinho.

O ministro assume que não existe uma meta definida, mas as novas sanções vão ser trabalhadas "todos os dias" nas próximas semanas e que o mais provável é haver um embargo ao petróleo russo, ainda que "as modalidades técnicas estão a ser discutidas".

Portugal vai retomar presença diplomática em Kiev

Gomes Cravinho garantiu ainda que Portugal retomará as atividades diplomáticas em Kiev "logo que haja condições para isso" e mantém apoio militar à Ucrânia. "Portugal tomou a decisão de pedir o regresso do embaixador e da embaixada a Kiev logo que houver condições", revelou.

O ministro considerou que se trata de "um sinal político muito importante" e que "tinha sido pedido pelo presidente [ucraniano, Volodymyr] Zelensky e também pelo Alto Representante [da UE, Josep] Borrell, na sequência da visita que ele e a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, fizeram na passada sexta-feira a Kiev".

"E, portanto, iremos retomar atividades em Kiev logo que haja condições para isso, espera-se que para breve", disse.

Questionado sobre se tal se produzirá então dentro de dias ou semanas, o chefe da diplomacia respondeu que "mais provavelmente semanas, porque primeiro está em curso por parte de vários países, e pela própria EU, uma análise da situação de segurança".

"Mas logo que houver condições, esperemos que seja para breve, a nossa embaixada regressará a estar plenamente funções em Kiev", reforçou.

Este anúncio ocorre depois de, na passada sexta-feira, em Kiev, o Alto Representante para a Política Externa e de Segurança ter anunciado o regresso do embaixador da União Europeia à capital ucraniana, para que o bloco europeu e a Ucrânia possam "trabalhar juntos de forma ainda mais direta e estreita".

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de