Ferro Rodrigues surpreendido com decisão de deputados PSD que não se querem vacinar

Lista com os nomes de quem vai ser vacinado no Parlamento terá de ser corrigida e reduzida, de 50 para 38.

O gabinete do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, foi este sábado apanhado de surpresa pela decisão de 12 deputados não quererem ser vacinados contra a covid-19, disseram à Lusa fontes parlamentares.

Agora, a lista que tinha sido enviada por Ferro Rodrigues para o primeiro-ministro, António Costa, com os nomes de quem vai ser vacinado terá de ser corrigida e reduzida, de 50 para 38, confirmou à Lusa fonte do gabinete do presidente da Assembleia da República.

Os critérios para a lista de deputados a vacinar foram discutidos por Ferro Rodrigues na conferência de líderes, na quinta-feira, em que pediu um "voto de confiança" para a escolha, tendo sido dado o prazo do final do plenário de sexta-feira para os grupos parlamentares informarem que não aceitava figurar.

Na conferência de líderes, vários vice-presidentes, como Fernando Negrão (PSD) e José Manuel Pureza (BE), se excluíram, segundo fontes parlamentares ouvidas pela Lusa.

Depois, publicamente, o PCP indicou os seus dois nomes (António Filipe, vice-presidente, e Ana Mesquita, secretária da mesa) e os bloquistas anunciaram que os seus deputados iriam ficar fora desta fase.

Horas depois, o jornal 'online' Observador noticiou a lista de nomes, em que se incluía o presidente do PSD e líder do maior partido da oposição, Rui Rio, registando, depois, as posições de vários deputados que, respeitando critérios, não queriam ser vacinados nesta fase que começa na próxima semana, entre eles Pedro Roque, por exemplo.

Hoje, cerca das 12:00, o PSD divulgou um comunicado em que divulga os 12 deputados que não querem ser incluídos na lista, o que apanhou de surpresa a presidência da Assembleia, segundo afirmaram à Lusa fontes do gabinete de Ferro Rodrigues.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de