Governo não avança com eleição direta para as Áreas Metropolitanas

Decisão do Executivo pretende evitar entraves à regionalização.

O primeiro-ministro recusou, este sábado, avançar já com a eleição direta para as Áreas Metropolitanas, para evitar "entraves a quaisquer desenvolvimentos futuros no processo de regionalização", revelando que a eleição das Comissões de Coordenação por um colégio de autarcas avança já em 2020.

"O Governo está disponível para não avançar já com a eleição direta par as Áreas Metropolitanas, para evitar entraves a quaisquer desenvolvimentos futuros no processo de regionalização", afirmou António Costa, no encerramento do XXIV da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), em Vila Real.

O primeiro-ministro notou que o Governo tem "ponderado a apreensão de muitos autarcas, das próprias Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto e dos seus presidentes, de que as eleições diretas [por sufrágio universal] das Áreas Metropolitanas possam ser entendidas como entrave à regionalização".

Costa revelou que a intenção do Governo é avançar no primeiro semestre de 2020 com a eleição, por um colégio de autarcas, para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR).

"Este não é o passo que todos anseiam, mas é o que desde já deve ser dado para criar no país a confiança necessária para os passos seguintes", observou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de