Governo recua na requisição civil do Zmar

Requisição, que estava suspensa desde o dia 7 de maio, deixa assim de ter qualquer efeito.

O Governo português recuou, esta segunda-feira, na requisição civil imposta sobre o empreendimento turístico Zmar para alojar pessoas em confinamento obrigatório ou permitir o seu "isolamento profilático" no concelho de Odemira, avança a TVI.

A 7 de maio, o Supremo Tribunal Administrativo deu razão aos proprietários do Zmar e suspendeu a requisição civil decretada pelo Governo para o complexo turístico, já depois de os proprietários terem avançado com uma providência cautelar.

Esta segunda-feira, o Governo terá chegado a um acordo com os proprietários e massa insolvente do equipamento para que, caindo a requisição, seja também retirado o processo em tribunal.

A TVI avança ainda que o ministro da Economia vai assinar ainda hoje um protocolo - a entrar em vigor na quarta-feira - no qual o Governo se compromete a, até 28 de junho, ocupar apenas 36 casas do Zmar para alojar migrantes com necessidade de isolamento, pagando 100 euros por noite à massa insolvente.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de