Congresso PS

Congresso PS: Assis não aceita integrar órgãos do PS

A TSF confirmou, junto de fontes próximas de Francisco Assis, que o cabeça de lista dos socialistas nas eleições Europeias não está disponível para integrar qualquer dos órgãos nacionais do Partido Socialista.

Assis era um dos nomes da «quota segurista» para a Comissão Política, mas ao início da noite, já depois de ter abandonado o Congresso, revelou a algumas pessoas mais próximas que não está disponível para integrar qualquer dos órgãos nacionais.

Álvaro Beleza, à entrada da FIL, não quis confirmar esta informação, limitando-se a dizer que Assis faz parte da lista dos «seguristas» para a Comissão Política, e que só poderá confirmar se essa situação se mantém ou não depois de falar com o próprio Francisco Assis, que estará num voo rumo ao Porto.

Francisco Assis já tinha referido ao início da noite que abandonaria o congresso em sinal de desagrado com a total ausência de indicações por parte da mesa sobre a hora em que discursaria, depois de ter sido inscrito para intervir por um seu colaborador, Afonso Abreu, ao fim da manhã, logo após a sessão de abertura do congresso.

Segundo uma fonte da linha da anterior direção, mais do que qualquer questão com o processo de elaboração das listas para os órgãos nacionais, Assis discorda do caminho político que tem sido traçado por alguns dos principais dirigentes da equipa de António Costa, casos do líder parlamentar, Ferro Rodrigues, e do líder da federação de Aveiro e "vice" da bancada socialista, Pedro Nuno Santos.

Em caso de ausência de maioria absoluta do PS nas próximas eleições legislativas, Assis defende entendimentos preferenciais com o PSD, algo que a maioria dos membros do núcleo político de Costa discorda.

Neste congresso, Ferro Rodrigues defendeu que entendimentos com o PSD teriam como consequência um reforço dos populismos no país.