Catarina Martins garante que portugueses "não vão ouvir o BE a recuar"

A coordenadora do BE garantiu que partido não vai recuar na votação favorável à recuperação do tempo de serviço dos professores e criticou o primeiro-ministro pelo "número de campanha".

"Sabem que podem confiar, sabem que somos claros e não nos ouvirão dizer que recuamos num acordo que já foi feito e nunca nos verão dizer que não sabíamos o que estávamos a votar", garantiu Catarina Martins, esta segunda-feira, num comício no Barreiro, no distrito de Setúbal.

Num discurso para cerca de cem militantes, a coordenadora bloquista começou por dizer que "não vale a pena falar do que se explicou por si nos últimos dias", reafirmando que o Bloco de Esquerda (BE) é um partido "de contas certas" e que "não brinca com a vida das pessoas".

"É de uma absoluta irresponsabilidade quem diz uma coisa num dia e diz outra no dia seguinte", salientou, referindo-se ao recuo do PSD e CDS na votação, impondo condicionantes para a aprovação da proposta.

Também na última noite, o primeiro-ministro, António Costa, disse em entrevista à TVI que "nem daqui a 10 anos" será possível devolver o tempo integral durante o qual as carreiras estiveram congeladas , porque isso "financeiramente não é possível".

A líder do Bloco de Esquerda não deu declarações aos jornalistas, nem comentou as declarações de António Costa, mas considerou que "faz mal o PS quando deixa o país nas mãos da direita".

"A direita recuou e, enfim, a grande crise do senhor primeiro-ministro não passou de mais um número de campanha, mas não é assim que respondemos pelas nossas responsabilidades e no BE, quando se trata de direitos laborais, seja no público, seja no privado, nós não recuamos e mantemos sempre os nossos compromissos", garantiu.

Catarina Martins deixou a promessa: "Pela parte do Bloco é tudo claro. Não recuamos, fazemos o que fizemos até agora e temos muito trabalho pela frente".

O BE já tinha confirmado a votação favorável à recuperação integral do tempo de serviço dos professores e a rejeição das condicionantes que PSD e CDS-PP anunciaram que iriam voltar a propor.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de