Jardim: PSD deve «encontrar um novo Governo» para o país

O presidente do Governo regional da Madeira e líder do PSD-M, Alberto João Jardim, afirmou hoje que o partido «tem que rapidamente encontrar um novo Governo» para Portugal.

«Não vou falar como presidente do Governo da Madeira, porque como presidente do Governo da Madeira tenho que ter um relacionamento institucional com o Governo da República, mas, pessoalmente, o Alberto João Jardim, que ajudou a fazer o PSD e que é dirigente do PSD, entende que, se por um lado seria loucura mergulhar o país em eleições outra vez, por outro lado, neste quadro parlamentar, o PSD tem que rapidamente encontrar um outro Governo, que dê outro tipo de respostas aos portugueses», declarou o líder madeirense, na Calheta.

Jardim falou aos jornalistas à margem da inauguração da exposição "Paisagem da Madeira", com trabalhos de Max Romer, e "A Duas Velocidades", no Centro das Artes Casa das Mudas.

O governante madeirense opinou que a mudança governamental não deve passar só pela substituição do ministro das Finanças, frisando: «Tem que ser um novo Governo e o PSD tem que pensar nisso».

Instado a comentar as conclusões da avaliação da 'troika' ao programa de ajustamento de Portugal hoje apresentadas pelo ministro das Finanças, Vitor Gaspar, Jardim considerou que «foi uma confissão de um falhanço».

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, divulgou hoje os resultados da sétima avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) e anunciou que o Governo reviu com a 'troika' as suas projeções macroeconómicas, esperando agora mais do dobro da recessão para este ano e um desemprego a subir até quase aos 19% na parte final do ano.

As metas do défice orçamental deste ano tiveram que ser novamente revistas sete meses depois, com a nova meta do défice para 2013 a ser de 5,5%, superior à meta de 2012.

O Governo reviu também em baixa a sua projeção para a economia portuguesa, prevendo agora que a recessão seja de 2,3% do PIB este ano e não de 1% do PIB.

Vitor Gaspar reviu ainda em alta a taxa de desemprego para este ano de 16,4% para 18,2%.

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de