O SNS para os animais e a caldeira de Rui Rio 

No debate na RTP, rumo às legislativas, Rui Rio e André Silva mostraram que será "difícil" serem parceiros. Divergiram em quase tudo. Só a emergência climática os uniu.

No final da cerca de meia hora de debate, Rui Rio sacou da carteira e quis exibir o talão do multibanco que comprova a compra "hoje mesmo" de uma caldeira elétrica:"paguei 1282 euros para trocar a caldeira de minha casa por outra mais moderna que emite menos dióxido de carbono e monóxido de carbono". Era a resposta do líder do PSD à derradeira questão do debate sobre que mudanças já provocou a emergência climática na vida dos dois oradores. Do outro lado da mesa do debate esteve André Silva, deputado do PAN que há muito deixou de consumir produtos animais : "Hoje em dia ando de transportes públicos e não como carne nem qualquer produto de origem animal".

Para trás ficou apenas um ponto de consenso: tanto Rio como André Silva concordam na necessidade de avançar com políticas para garantir que não é atingido o ponto de não retorno ambiental em 2030. E Rio até disse concordar com um cartaz do Bloco de Esquerda que avisa que "Não há planeta B". Quanto ao mais sobrou o desacordo.

O "SNS para animais"

A proposta do PAN de uma rede de cuidados de saúde para animais foi criticada por Rui Rio: "Eu não cuido do SNS para as pessoas e vou criar um para os cães e para os gatos? Vou gastar dinheiro numa espécie de SNS dos animais quando tenho o SNS a funcionar como está? Não é equilibrado", considerou o líder social-democrata. André Silva insistiu que se trata de "aproveitar infraestruturas e dinheiros públicos que municípios não têm aproveitado" e acusou o PSD de "não ter uma proposta para os animais"

"O PSD e a ecologiazinha dos anos 80"

Ao longo do debate, André Silva repetiu várias vezes que "o PSD não tem um projeto para descarbonizar a economia". Quando Rui Rio lembrou as propostas do antigo ministro de Cavaco Silva Carlos Pimenta: "Ainda o PAN não tinha nascido e já o PSD andava nisto", o deputado do PAN disparou:" Isso é ecologiazinha dos anos 80", já tinha acusado o PSD de "não ter uma política económica para o século XXI".

Tanto Rui Rio como André Silva consideraram difícil a possibilidade de serem parceiros: o líder social-democrata acusou o mais recente partido parlamentar de ser "fundamentalista" e considerou que o PAN é um "partido de nicho" que aproveita os votos dos descontentes com os partidos tradicionais. Já André Silva acusou o PSD de estar "encostado à direita", deixando "um vazio no centro" ao que Rio respondeu que o têm acusado exatamente do contrário.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de