Política

PCP acusa Governo de depender das agências de 'rating', BE critica austeridade

O PCP entende que o Governo orienta as suas decisões pela «bússola» das agências de notação financeira, após a Moody's ter desclassificado o 'rating' de Portugal. O BE diz que austeridade não impede especulação financeira. O PS fala em «jogo de sombras» por parte das agências de rating.

O deputado do PCP, Agostinho Lopes, entende que a avaliação feita, esta terça-feira, pela agência Moody's assinala que «o Governo e a União Europeia continuam a orientar as suas decisões, em matéria de política económica, pela bússola das agências de notação financeiras».

Por sua vez, o deputado do Bloco de Esquerda, João Semedo, considera que a decisão da Moody's prova que os sacrifícios que estão a ser exigidos aos portugueses não são a solução para a crise financeira do país.

«Não são as medidas da "troika" que impedem a especulação financeira e que os mercados agravem a situação do nosso país», afirma o bloquista.

Já a líder interina da bancada parlamentar do PS considerou que quaisquer que sejam os sinais que Portugal pretenda dar «há qualquer coisa que nos ultrapassa».

Em declarações na SIC Notícias, Maria de Belém adiantou que há um processo de «formulação de decisões encoberta num jogo das sombras, não explícito e não regulado que temos que denunciar».

A agência de notação Moody's anunciou esta terça-feira que cortou em quatro níveis o 'rating' de Portugal de Baa1 para Ba2, colocando a dívida do país na categoria de 'lixo' (junk).

Notícias Relacionadas