Rio acusa Governo de falta de isenção na greve dos motoristas

Rui Rio diz que "o PSD não participa em circos".

Poucas horas depois de o Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas ter admitido suspender a greve, o presidente do PSD apareceu pela primeira vez a comentar o conflito, com muitas críticas à forma como o Governo geriu o dossier e com uma certeza. "O PSD não participou em circos", disse, justificando o facto de ter estado em silêncio desde o início da greve.

Rui Rio repetiu depois as ideias que ,há dois dias, o vice-presidente do partido lançou. "O Governo não procurou evitar o conflito. Empenhou-se na criação de uma conjuntura que pudesse beneficiar eleitoralmente, a mesma tática [usada] no período anterior às eleições europeias", acusou, sublinhando que o executivo "estava a gerir este dossier mais preocupado na popularidade que pudesse angariar para as eleições e não tanto a pensar em resolver o problema".

Já numa resposta clara aos críticos internos e externos, Rui Rio quis vincar claramente a sua posição, justificando que o PSD não quis entrar "no circo". "Enquanto eu for líder o PSD não participa em circos. Eu não estou aqui para o espetáculo. Estou aqui para resolver os problemas do país, de forma frontal e sem habilidades políticas, não é a minha especialidade", apelando "à boa-fé de ambas as partes", patrões e trabalhadores e ainda à "isenção do Governo".

Numa conferência de imprensa, o líder do PSD sugeriu ainda que, caso o Governo não tenha capacidade para mediar o conflito, ambas as partes recorram ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de