ministros

Rui Machete critica «podridão» de alguns hábitos políticos

O novo ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros classificou como um reflexo da «podridão dos hábitos políticos» as críticas por ter exercido funções na Sociedade Lusa de Negócios (SLN).

Rui Machete, antigo presidente da Comissão Política do PSD e ex-vice-primeiro-ministro do Governo do Bloco Central [PS/PSD], falava aos jornalistas após ter tomado posse do cargo de ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros.

Interrogado sobre a polémica em torno da sua passagem pela Sociedade Lusa de Negócios (SLN), a holding do Banco Português de Negócios (BPN), Rui Machete respondeu: «Isso denota uma certa podridão dos hábitos políticos, porque deviam saber em que condições eu passei, em vez de darem notícias bombásticas».

Questionado se a exploração do caso da sua passagem pela SLN o poderá fragilizar em termos políticos, o novo ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros deu uma resposta seca: «Não», acrescentando que está de consciência tranquila «há muitos anos».

Já o novo ministro da Economia considerou que o sinal mais importante que se pode dar à economia é a estabilidade e a coesão da coligação governamental e deixou uma palavra de «muito apreço» ao seu antecessor no cargo.

«O primeiro sinal que se pode dar à economia, sinal positivo, é precisamente a maturidade política, a estabilidade, a coesão desta coligação, o bom senso institucional entre todos os partidos. É o sinal mais importante que podemos dar à economia e, nomeadamente, a quem pensa ou quer investir em Portugal», afirmou António Pires de Lima, em declarações aos jornalistas minutos depois de ter tomado posse no Palácio de Belém.