Governo

Sérgio Monteiro: «As greves matam o serviço público de transportes»

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, disse hoje no Fórum TSF que atribui responsabilidades aos sindicatos pela perda de passageiros nos transportes públicos e considera que as paralisações que se tem repetido têm fins políticos.

«O que verdadeiramente mata o serviço público de transportes são as greves», afirma Sérgio Monteiro que estabelece uma relação direta entre as greves e os números de passageiros: «tivemos em 2012 e 2013 perda de passageiros porque o número de greves foi avassalador nas empresas que prestam serviço, mas em 2014, um ano em que praticamente não existiram greves, o número de passageiros recuperou».

PUB

No Fórum da TSF, o secretário de Estado dos Transportes defendeu ainda que as paralisações no setor dos transportes têm tido mais fins políticos do que laborais.

«Oiço sempre os dirigentes sindicais dizerem que querem mandar o Ggoverno para a rua, não me parece que isso seja propriamente uma contestação de natureza laboral», diz.

Os sindicatos defendem que as privatizações e subconcessões dos serviços públicos de transporte são prejudiciais para trabalhadores e utentes, mas o secretário de Estado assegura que não e dá como exemplo as garantias de serviço previstas nos cadernos de encargos.

«Diz que a carreira X tem o seu ponto de início no local X e o ponto de destino no local Y e qual percurso e o horário, exatamente as mesmas obrigações de serviço que hoje a Carris tem em Lisboa, que a STCP tem no Porto e os respetivos metropolitanos também têm», exemplifica.

Quanto aos preços, Sérgio Monteiro garante que eles só podem aumentar no máximo à taxa de inflação.