"Um intelectual de combate." Jerónimo sobre Rúben de Carvalho

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, recorda o histórico dirigente Ruben de Carvalho como "um homem de projeto, um homem que lutou pela liberdade, pela democracia"

Em nome do Secretariado do Comité Central, Jerónimo de Sousa elogiou Rúben de Sousa como "um homem de combate e de confronto de ideias" que mereceu o respeito mesmo dos adversários políticos.

"Da parte de muitos com grandes divergências profundas, sempre tiveram grande respeito pela intervenção do Ruben neste diálogo com quem discordava, mas simultaneamente respeitava", recordou o secretário-geral do PCP.

Jerónimo de Sousa destacou ainda o percurso multifacetado de Rúben de Carvalho: "um intelectual comunista que assumiu diversas tarefas cargos e responsabilidades" no PCP.

"Todo um percurso de uma vida de luta na luta antifascista e no movimento estudantil que levou sucessivas prisões, sendo a última aliás a 7 de abril de 1974", lembrou Jerónimo de Sousa que sublinhou a "contribuição importantíssima na festa do Avante, na parte dos programas musicais"

"Um homem do jornalismo, da rádio, da imprensa que deu muita atenção à música da popular à erudita, numa contribuição importante para a nossa cultura".

No retrato traçado pelo líder comunista. Rúben de Carvalho, falecido aos 74 nos, "foi deputado, foi vereador da Câmara de Lisboa", e era "um homem de projeto, um homem que lutou pela liberdade, pela democracia, que tinha o seu projeto de luta pelo fim da exploração do homem pelo homem, na luta pelo socialismo e pelo comunismo".

Na declaração aos jornalistas na Assembleia da República, em Lisboa, Jerónimo de Sousa apresentou "profundas condolências" em nome do Secretariado do Comité Central do PCP, a Madalena Santos, "à sua companheira de sempre".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de