PEV vai "insistir nas propostas que ficaram para trás" no OE2021

Nas semanas decisivas para a negociação do OE2021, a TSF entrevista os líderes dos principais grupos parlamentares. Esta terça-feira é a vez do PEV.

O líder parlamentar do Partido Ecologista 'Os Verdes' (PEV) não vai levar novas propostas para o encontro com António Costa, esta quarta-feira.

"Vamos insistir nas propostas que ficaram para trás", diz José Luís Ferreira em entrevista à TSF. Entre as ideias que Os Verdes submeteram para o Orçamento do Estado para 2021 (OE201) algumas estão contempladas na proposta do Governo, outras não estão. É nestas últimas que o partido vai insistir nesta nova ronda de negociações.

Entre elas, apoios às pequenas e médias empresas e a criação de um fundo de tesouraria, entre outras medidas que sustentam a ideia de que "não podemos ficar dependentes de um setor que é o turismo (...) é necessário apostar na nossa produção", em especial na agricultura familiar, defende José Luís Ferreira.

Também a proposta que diz respeito ao plano Ferroviário Nacional apenas foi parcialmente incluída no Orçamento, uma vez que "o Governo limita-se a apresentar esse plano em 2021, quando nós achávamos que no ano 2021 devia ser já para avançar com força".

Uma coisa é certa, as propostas do PEV contempladas na proposta de OE2021 "não são suficientes de forma alguma. Do conjunto de "25 a 30 propostas" dos Verdes, apenas "duas ou três" foram aceites.

"Aquilo que está em cima da mesa é muito pouco", lamenta o líder parlamentar do PEV.

Sobre as declarações de António Costa esta segunda-feira na TVI, que diz que deixou nas mãos dos partidos à esquerda a decisão de se juntarem à direita para chumbar este Orçamento, José Luís Ferreira diz que é "uma questão de fazer contas".

António Costa tem reponderar "se se sente confortável em afirmar uma coisa dessas", já que no passado houve alturas em que foram os socialistas a juntar-se ao PSD "numa espécie de coligação" para chumbar medidas, como a reversão da privatização dos CTT, o regime jurídico das CCDRS ou as regras dos fins dos debates presidenciais.

"Se só o PS votar a favor do Orçamento - é só fazer contas - o orçamento não passa."
O primeiro-ministro reúne-se esta terça-feira, em São Bento, com o Bloco de Esquerda, PCP e PAN e na quarta-feira tem encontro marcado com o PEV para procurar um acordo para a viabilização da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2021.

O primeiro-ministro reúne-se esta terça-feira, em São Bento, com o Bloco de Esquerda, PCP e PAN e na quarta-feira tem encontro marcado com o PEV para procurar um acordo para a viabilização da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2021.

A Assembleia da República começa a debater a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2021 no dia 27 de outubro, estando a votação na generalidade marcada para o dia seguinte.

Até agora, o executivo de António Costa ainda não dispõe de quaisquer garantias políticas dos parceiros parlamentares dos socialistas para a viabilização do Orçamento, pelo que esta semana será 'decisiva' em relação aos resultados das negociações.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de