Líder madeirense do PSD diz que não haverá "almoços grátis" para Rio ou Rangel

Miguel Albuquerque reforça que "qualquer candidato que queira ter o apoio do presidente do PSD/Madeira vai ter que assumir compromissos claros relativamente àquilo que são os direitos dos madeirenses".

O líder do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque, advertiu esta sexta-feira que não haverá "almoços grátis" para o futuro presidente do partido, seja Rui Rio ou Paulo Rangel, garantindo que só apoiará aquele que assumir "compromissos claros" com os madeirenses.

"Quero-vos dizer que nenhum candidato, enquanto eu for líder do PSD/Madeira, tem almoços grátis", declarou no encerramento das jornadas parlamentares do PSD/CDS-PP, no Funchal, partidos que governam o arquipélago em coligação.

E reforçou: "Qualquer candidato que queira ter o apoio do presidente do PSD/Madeira vai ter que assumir compromissos claros relativamente àquilo que são os direitos dos madeirenses e do nosso povo, porque acabou o tempo das fantasias."

Miguel Albuquerque esclareceu que esta posição se aplica também ao futuro líder do CDS-PP, cuja liderança também é disputada por dois candidatos: Francisco Rodrigues dos Santos e Nuno Melo.

"Não estou nada preocupado com quem vai ser o líder, porque os militantes é que vão escolher, quer num partido, quer noutro", declarou.

O líder social-democrata madeirense, também chefe do Governo Regional, considerou fundamental a realização de eleições antecipadas, na sequência do 'chumbo' do Orçamento do Estado para 2022, na quarta-feira, antecipando que os dois partidos -- PSD e CDS-PP -- podem constituir-se como alternativa ao atual governo socialista de António Costa.

"A nossa esperança é que haja uma alternativa a este desastre e que os nossos partidos a nível nacional apresentem, sem medo, o que querem para o futuro do país", afirmou, reforçando: "Nós não podemos continuar nestas meias tintas. É fundamental que o PSD e o CDS digam aos portugueses qual o caminho. E o caminho não pode ser o mesmo."

Miguel Albuquerque disse, também, que todas as decisões que a coligação na Madeira tomar em relação as eleições legislativas antecipadas serão sem equacionadas tendo em vista a "maximização dos apoios" para a região.

"Temos a confiança suficiente uns nos outros [social-democratas e centristas] para pensarmos numa solução que sirva a Madeira", sublinhou, acusando, por outro lado, o governo de António Costa, com apoio do PCP e do BE, de ter "vigarizado" a região autónoma com "promessas nunca cumpridas" durante seis anos.

Os grupos parlamentares do PSD -- 21 deputados -- e do CDS-PP -- três deputados -- constituem a maioria na Assembleia Legislativa da Madeira, num total de 47 elementos, onde estão representados também o PS (19 deputados), JPP (três deputados) e PCP (um deputado).

No encerramento das jornadas parlamentares, o líder da bancada centrista, António Lopes da Fonseca, afirmou que a Madeira constitui um "mundo à parte" na estabilidade governativa.

"Somos um mundo à parte porque não temos a crise política que se criou a nível nacional e somos um mundo à parte porque os madeirenses e porto-santenses quiseram que se governasse a região através de uma coligação que se consolidou ao longo deste período difícil como foi a pandemia, e que demonstrou que os dois partidos estão no governo, sobretudo para governar em função das populações e não para governarem para os próprios partidos", declarou.

De acordo com Lopes da Fonseca, a situação é ao contrário ao nível do Governo da República, onde "cada um governa em função dos interesses partidários e não em função do interesse do país".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de