MAI confiante numa "solução nos próximos dias" para o SIRESP

Eduardo Cabrita revelou que desde 2018 que o SIRESP tem mais 451 antenas satélite e 18 unidades de redundância elétrica.

O ministro da Administração Interna manifestou-se, esta quinta-feira, confiante que seja encontrada uma "solução nos próximos dias" nas negociações que estão a decorrer com entidade gestora do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP).

"As questões especificamente técnico-financeiras estão bem entregues e confio que terão solução nos próximos dias", disse aos jornalistas Eduardo Cabrita, no final da cerimónia militar que assinalou o Dia da Unidade de Intervenção da Guarda Nacional Republicana.

O ministro da Administração Interna afirmou ainda que o SIRESP tem desde o ano passado mais 451 antenas satélite e 18 unidades de redundância elétrica, destacando que "estão a funcionar".

Na semana passada, a rede SIRESP, o sistema de redes de comunicação de emergência e segurança usado, por exemplo, em incêndios, ameaçou parar os seus equipamentos de redundância devido a uma dívida de 11 milhões de euros do Estado.

Na segunda-feira de manhã, o primeiro-ministro anunciou no parlamento que as negociações entre o Estado e sociedade que gere a rede de comunicações SIRESP seriam concluídas nas horas seguintes e admitiu a existência de "uma questão financeira" que divide as partes.

António Costa admitiu que o objeto da negociação entre o executivo e a PT/Altice que está em curso passa pela aquisição da posição acionista por parte do Estado no SIRESP.

A rede SIRESP é detida em 52,1% pela Altice Portugal, 33% pelo Estado e 14,9% pela Motorola Solutions.

Depois dos incêndios de 2017, o Governo aprovou em Conselho de Ministros um novo contrato com a entidade gestora do SIRESP, que deveria entrar em funcionamento em 2018, mas foi chumbado duas vezes pelo Tribunal de Contas

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de