Maioria absoluta indesejada? Debate é "importante para perceber se Rio pode lutar"

A sondagem da Pitagórica aponta uma subida para o PSD e uma descida para o Partido Socialista. Mas, para os comentadores Carlos Jalali e Paulo Baldaia, muito ainda se poderá decidir à luz dos próximos debates: sobretudo no que toca aos indecisos.

A três semanas das eleições, a sondagem da Pitagórica para a TSF e Jornal de Notícias mostra um aumento dos indecisos, com o PS a descer e o PSD a recuperar. Na perspetiva do politólogo Carlos Jalali, estes resultados mostram que o eleitorado socialista está instável.

"O aumento do número de indecisos é, de facto, uma das notas mais salientes desta sondagem, sobretudo quando olhamos para aquela que parece ser a proveniência dos eleitores agora indecisos, que é o Partido Socialista. O PS acaba por perder 5,3 pontos percentuais na intenção de voto direto", aponta o investigador da Universidade de Aveiro.

Assustados com a possibilidade de uma maioria absoluta para o PS, os eleitores poderão estar a ponderar esvaziá-la, de acordo com o politólogo: "Essa é uma hipótese possível, porque a pré-campanha tem sido muito focada na questão da maioria absoluta para o Partido Socialista."

Ouvido pela TSF, Carlos Jalali afirma acreditar que o frente a frente desta segunda-feira entre António Costa e Rui Rio será muito importante para os dois líderes."Eu acho que é um debate muito importante para marcar aquilo que é a agenda das próximas três semanas. A sondagem da Pitagórica também mostra que 50% dos inquiridos não assistiu a nenhum dos debates até ao momento. Creio que esse cenário vai ser alterado pelo debate desta noite [segunda-feira], transmitido por todas as televisões e que terá uma assistência muito mais ampla. Esta pode ser uma oportunidade muito importante para ambos os candidatos apelarem aos votos daqueles que ainda não estão atentos a esta campanha."

O jornalista Paulo Baldaia é uníssono com Jalali no que diz respeito ao embate entre os representantes dos dois maiores partidos, mas acrescenta que o debate decisivo poderá ser o das rádios, já na quarta-feira. "Os debates serão decisivos a partir de agora, contarão mais. O debate será importante para perceber se Rui Rio tem, ou não, capacidade para lutar, para, pelo menos, não perder o debate com António Costa, que lhe dá uma outra dimensão."

Paulo Baldaia explica ainda que Rio pode mitigar esta diferença: "O debate que vai acontecer nas rádios será o último debate dos dois. Esse é que é o tira-teimas, em que se vai perceber quem é que tem capacidade, entre os dois. Se Rui Rio conseguir sair melhor do que Costa nos dois debates, então, terá conseguido eliminar as hipóteses de o PS conseguir maioria absoluta."

O jornalista identifica o mesmo problema que poderá preocupar eleitores tendencialmente socialistas. "Eu diria que a maioria absoluta está mesmo dependente da capacidade de cada um dos dois grandes partidos de mobilizar o seu eleitorado. Eu julgo que o facto de, nos últimos tempos, se ter discutido tanto se há, ou não, maioria absoluta acaba por desmobilizar o eleitorado de esquerda que quer uma vitória do Partido Socialista, mas não aquela que seja obtida a partir de uma maioria absoluta. Esse é o grande problema do PS agora: cresceu demasiado em intenção de votos e precisa de transformar o máximo possível essa intenção de voto em votos reais", salienta.

A três semanas das eleições, o número de eleitores indecisos disparou, e o PSD sofreu uma subida ligeira nas intenções de voto. "A certa altura, torna-se complicado mobilizar eleitores que não querem de todo uma maioria absoluta", conclui Paulo Baldaia.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de