Marcação de diretas depende da vontade de Rio "desencadear processo eleitoral"

Presidente do Conselho Nacional do PSD considerou que foi um conselho "muito participado" e que decorreu sob uma "tónica geral de serenidade".

O presidente do Conselho Nacional do PSD afirmou este sábado que só será marcada nova reunião deste órgão depois de Rui Rio e a direção abrirem o processo eleitoral, apesar de uma proposta aprovada indicar um prazo de vinte dias.

No final da reunião do Conselho Nacional do PSD, que se realizou este sábado em Barcelos (Braga), Paulo Mota Pinto considerou que foi um conselho "muito participado" e que decorreu sob uma "tónica geral de serenidade".

Quanto à proposta aprovada, subscrita por 17 das 19 distritais do partido, para que, num prazo máximo de vinte dias, se realize uma nova reunião deste órgão para aprovar o calendário de eleições diretas e Congresso, Mota Pinto salientou que "ficou claro aos conselheiros que esse prazo depende da vontade" do presidente do partido e da Comissão Política Nacional (CPN).

"O processo eleitoral só pode ser aberto por iniciativa do presidente do partido", disse, salientando que Rui Rio foi eleito em novembro do ano passado e o Conselho Nacional "não tem poder" de interromper esse mandato obtido em sufrágio direto de todos os militantes.

Questionado se houve alguma garantia por parte da direção ou do presidente que o próximo Conselho Nacional vai mesmo realizar-se num prazo de vinte dias, Mota Pinto escusou-se a fazer "futurologia".

"Não posso dizer. O que foi assumido pelo presidente foi que, dentro da tranquilidade e calma que devem caracterizar o processo, ficou claro que, até ao final do primeiro semestre ou até ao final da sessão legislativa - interpretada como antes de verão - tudo isso estará resolvido", afirmou.

Para o dirigente, a reunião deste sábado "ratificou a proposta de calendário que o presidente tinha apresentado" dias depois de derrota eleitoral de 30 de janeiro, quando Rui Rio afirmou que iria deixar a liderança do PSD, admitindo ficar, no máximo, até ao início de julho.

Questionado se Rui Rio ainda poderá ser líder no último debate parlamentar antes das férias, o 'Estado da Nação', tradicionalmente no final de julho, Mota Pinto disse não poder precisar.

Já sobre se Rui Rio terá de apresentar a demissão formal para que o processo eleitoral interno de escolha do sucessor seja desencadeado, o presidente do Conselho Nacional considerou que "não tem de haver um ato específico de demissão".

"A demissão é, digamos, um ato que está implícito na apresentação pela Comissão Política de um calendário de proposta de realização de eleições", apontou.

Paulo Mota Pinto escusou-se a apontar uma data certa para a realização das diretas ou do Congresso, admitindo que terá de distar um mês entre um ato e outro, o que poderá significar eleições internas em junho e reunião magna no final do mesmo mês ou início de julho.

"Não lhe posso dar uma data certa, haverá outro Conselho Nacional onde isso será formalmente deliberado, depois de haver uma proposta nesse sentido da CPN", resumiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de