Marcelo recorda "vida preenchida ao serviço de Portugal" de Miranda Calha

Presidente da República recorda o ano de 1975 em que se funcionou a Assembleia Constituinte.

O Presidente da República manifestou hoje o seu profundo pesar pela morte do antigo secretário de Estado e deputado socialista Miranda Calha, considerando foi "um atlantista convicto" e que teve uma vida preenchida ao serviço de Portugal.

"Foi com muita tristeza que recebi a notícia da morte súbita de Júlio Miranda Calha, com quem partilhei no longínquo ano de 1975 a responsabilidade de deputado à Assembleia que elaborou a Constituição Portuguesa", escreveu Marcelo Rebelo de Sousa numa nota publicada no portal da Presidência da República.

Professor de profissão, licenciado em letras, natural de Portalegre, por três vezes secretário de Estado de governos socialistas e deputado pelo PS desde 1975 até à última legislatura (2015/2019), Júlio Miranda Calha faleceu hoje, aos 72 anos.

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que Miranda Calha "teve uma vida preenchida ao serviço de Portugal, que serviu como autarca, membro de vários governos e deputado em múltiplas legislaturas".

"Licenciado em letras e professor no início da sua carreira, especialista em matéria da Defesa, chegou até a ser o mais antigo deputado do parlamento, para o qual foi eleito sucessivamente desde a Constituinte, suspendendo apenas o mandato para exercer funções governativas. Atlantista convicto, animou a Comissão Portuguesa do Atlântico e foi Presidente da Assembleia Parlamentar da NATO", salienta ainda o chefe de Estado.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de