"Medidas de confinamento de uma região não são necessariamente as mais capazes"

Catarina Martins diz que o Governo está a fazer apenas uma gestão "a curto prazo".

O Bloco de Esquerda criticou este sábado as medidas de confinamento de uma região para combater a Covid-19, como está a acontecer na Área Metropolitana de Lisboa, apresentando uma série de "medidas alternativas" para conter a quarta vaga.

"O primeiro passo é conter e quebrar as cadeias de transmissão" das infeções, defendeu a coordenadora do partido, Catarina Martins em conferência de imprensa hoje realizada em Lisboa.

"As medidas de confinamento de uma região não são necessariamente as mais capazes", acrescentou.

Numa altura em que a nova vaga da pandemia já é encarada de outra forma, "por já haver vacinação e já se ter aprendido com as outras vagas", Catarina Martins sublinhou que o grande objetivo agora é "evitar um novo confinamento".

"Mais do que parar a atividade, é preciso fazer a atividade de outra forma, mais ao ar livre e evitando aglomerados", afirmou.

Por outro lado, referiu, é preciso "recuperar o SNS [Serviço Nacional de Saúde] e os cuidados 'não-covid" e deixar de fazer uma gestão das equipas de saúde "ao mês".

"O Governo fez sempre gestão a curto prazo e as equipas de saúde pública continuam a ser contratadas ao mês", mas é preciso "ter equipas mais estáveis e durante períodos muito mais longos para que a resposta seja mais consistente", considerou.

Especificamente para a Área Metropolitana de Lisboa, o Bloco elaborou um plano de intervenção, que passa por 10 medidas alternativas para "travar a pandemia".

Segundo explicou a cabeça de lista do Bloco à câmara municipal da capital, Beatriz Gomes Dias, as medidas visam recuperar o atraso da área metropolitana, quer em termos de vacinação quer de testagem do vírus.

O objetivo é chegar aos 100 mil testes diários que a Direção Geral de Saúde prometeu fazer, mas "que só cumpriu num dia de abril" e travar o início da quarta vaga da pandemia, "que está a começar em Lisboa".

Para isso, defendeu Beatriz Gomes Dias, "a vacinação é fundamental", mas "também a testagem", que pode passar pelo SNS.

"Sempre que uma pessoa vai ao centro de saúde, pode ser testada. Isso vai permitir identificar [os casos] positivos e interromper cadeias de transmissão", referiu.

Além disso, a candidata bloquista defendeu a necessidade de "contratar equipas para [ajudar as] pessoas mais vulneráveis, como os sem abrigo" e "criar um plano metropolitano para alojamento em caso de isolamento".

De acordo com a candidata à autarquia, "as pessoas que não têm condições em casa para ficar em isolamento, devem ter apoio da autarquia - articulada com outras autarquias da AML" e deve ser "mobilizada, se necessário, a hotelaria" para atingir este objetivo.

O aumento da vacinação deve passar "por um reforço das equipas", mas também é "fundamental recuperar a saúde mental da população e dos profissionais", disse, acrescentando que é preciso "financiar as autarquias para responder às pessoas com doenças crónicas", numa resposta complementar à do SNS.

A sétima medida apresentada visa "não deixar ninguém fora da resposta do SNS quer em termos de vacinação quer de testagem", meta que Beatriz Gomes Dias considera que deve passar pela atribuição de números temporários de utentes a migrantes "para ultrapassar as dificuldades que têm sido identificadas".

Por outro lado, o Bloco quer ver "executado o programa de apoio aos cuidadores, com uma rede mais robusta" e "reforçar a resposta da saúde publica", com "mais médicos, mais enfermeiros" através de "concursos extraordinários e do aumento dos rácios previstos na lei".

Por último, defendeu a candidata, é preciso "criar um conselho científico para a emergência de saúde publica", organismo que, em termos normais, faça assessoria técnica e científica para prevenção e que, em tempos de emergência, tenha "competências na análise e aconselhamento".

As 10 medidas apresentadas serão, segundo Catarina Martins, apresentadas "em breve" ao parlamento como projeto de resolução, uma recomendação (sem força de lei).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de