Melo quer regresso do CDS à AR para ser "oposição eficaz" e ocupar espaço entre PSD e Chega

O novo líder do partido escolheu a Ucrânia para tema inicial do discurso, com a embaixadora em Portugal presente no Congresso.

O presidente do CDS-PP, Nuno Melo, afirmou este domingo como desígnio voltar à Assembleia da República, sustentando que o partido faz falta para ocupar o espaço entre o PSD e o Chega e quer fazer uma "oposição eficaz" ao Governo.

"O que nos resta é ser oposição muito mais eficaz para que amanhã os portugueses tenham uma alternativa e não vejam num mal pior aquilo que realmente, no que nos respeita, não é melhor", afirmou o líder no discurso de consagração perante o 29.º congresso e após a eleição da sua Comissão Política Nacional.

Nuno Melo insistiu que o CDS-PP "faz falta a Portugal" e "não morreu para a democracia" nas eleições legislativas de janeiro, que ditaram o afastamento do partido da Assembleia da República e traçou como um desígnio voltar a eleger deputados.

Afirmando que o primeiro-ministro tem "o coração em Bruxelas" e que "isso é nítido", acredita que a saída de António Costa pode significar eleições antecipadas.

"Nós somos pela estabilidade dos mandatos, mas se tivermos eleições legislativas antecipadas, o CDS estará preparado e será nesse dia que voltará à Assembleia da República", salientou.

E defendeu que "quando a IL se quer sentar à esquerda do PSD", o PSD está "ao centro" e "basicamente o Chega se quer sentar à direta do regime", existe "todo um espaço deste humanismo personalista entre o PSD e o Chega que faz nisso um buraco doutrinário que não está na Assembleia da República".

"Somos nós e queremos lá voltar", atirou.

"Todos os dias dá exemplos impressionantes na luta pela democracia e pela liberdade"

Nuno Melo defendeu ainda que a invasão da Ucrânia pela Rússia impõe "lições" aos países ocidentais, como a necessidade do reforço da defesa europeia e do "vínculo defensivo" com os EUA.

O novo líder centrista escolheu como primeiro tema do seu discurso de posse no cargo de líder do CDS-PP a invasão da Ucrânia pela Rússia, dirigindo uma mensagem de solidariedade à embaixadora daquele país, presente no pavilhão multiusos em Guimarães, onde termina hoje o 29.º Congresso do partido.

O eurodeputado anunciou que irá entregar no Parlamento Europeu uma proposta para que "sejam dadas condições aos professores ucranianos para que possam continuar a ensinar crianças do seu país em escolas ou instalações facultadas pelos estados de acolhimento".

Perante aplausos dos delegados, de pé, Nuno Melo enalteceu o "povo extraordinário da Ucrânia" que "todos os dias dá exemplos impressionantes na luta pela democracia e pela liberdade".

Uma guerra na Europa no século XXI impõe cinco lições, defendeu, sendo a primeira a constatação de que "a condição da paz é ter uma defesa sólida" e que os russos perceberam a fragilidade europeia nessa matéria.

Para Nuno Melo, a NATO é assim o "melhor sistema de defesa coletiva que existe para proteger" e que, perante uma "ameaça ao espaço europeu, só a força da aliança ocidental pode travar o pior".

O líder do CDS-PP apontou ainda a excessiva dependência energética do gás da Rússia, defendendo "pragmatismo" na resolução deste problema porque "primeiro estão as pessoas" e, por último, defendeu uma reforma do "sistema das Nações Unidas" para que não volte a ser possível que um país que invade outro violando "impunemente a Carta das Nações Unidas" possa depois "beneficiar de um direito de veto" que impede uma Resolução a condenar essa invasão.

"O mundo mudou e as Nações Unidas tem de aprender a mudar com o mundo", declarou.

Nuno Melo subiu ao palco do Pavilhão Multiusos de Guimarães ao som da música "Another Time", de Liqwyd, e agradeceu à mulher por não lhe "cortar os sonhos" e à família pelo sacrifício que "não vai ser pequeno".

Sobre o futuro do partido, disse, "as pontes estão criadas" e o CDS "está hoje na oposição e amanhã na disputa pelo poder".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de