Metro de Lisboa. Ministro diz que Rio revelou "total desespero" sobre linha circular

Matos Fernandes reiterou não haver forma de afetar a verba comunitária (83 milhões de euros) - que está inserida no objetivo descarbonização - "a outro projeto desta dimensão".

O ministro do Ambiente disse esta quarta-feira que o PSD errou ao votar favoravelmente a suspensão da linha circular do Metropolitano de Lisboa e classificou a intervenção de Rui Rio no debate quinzenal de terça-feira de "total desespero".

João Matos Fernandes, que tutela os transportes urbanos, falava na Assembleia da República durante uma audição na Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, onde lembrou que o PSD votou favoravelmente propostas do PCP e do PAN para a suspensão daquele projeto, no âmbito do Orçamento do Estado para 2020.

"Era um erro o PSD embarcar na votação que embarcou. Agora terá de explicar aos lisboetas que caso seja suspensa não haverá qualquer obra no metro nos próximos três anos", afirmou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, em resposta ao deputado socialista Luís Graça, que pediu ao governante para explicar o impacto da medida.

Matos Fernandes referiu-se ainda à intervenção de Rui Rio durante o debate quinzenal de terça-feira, afirmando que o líder dos sociais-democratas revelou "total desespero" e tentou "salvar a face de si próprio pela decisão que tomou e da qual foi avisado pelos seus vice-presidentes".

Matos Fernandes reiterou não haver forma de afetar a verba comunitária (83 milhões de euros) - que está inserida no objetivo descarbonização - "a outro projeto desta dimensão".

"É óbvio que os lisboetas perderam e o PSD vai ter de explicar, não sendo feita esta obra, não vai ser feita nenhuma", disse o ministro, criticando a oposição por se queixar da ausência de transportes suficientes, tendo, no entanto, aprovado a suspensão do projeto.

Na terça-feira, o presidente do PSD acusou o Governo, e em particular o ministro do Ambiente, de ter mentido aos portugueses sobre as consequências da aprovação pelo Parlamento da suspensão da linha circular do metropolitano de Lisboa.

Durante o debate quinzenal, Rio quis saber se o país poderia ou não utilizar os fundos europeus já alocados a esta linha noutros projetos - invocando várias versões citadas por diferentes membros do Executivo - e se já tinham sido feitas algumas expropriações que obrigassem ao pagamento de indemnizações, como tinha sugerido anteriormente Matos Fernandes.

Esta quarta-feira o ministro reiterou que a construção da linha circular é a "melhor opção para quem vem de fora" da cidade de Lisboa, já depois de o deputado social-democrata Hugo Carvalho ter acusado o Governo de "fazer cambalhotas de argumentos".

A suspensão da linha circular do Metro de Lisboa foi aprovada há duas semanas no Parlamento, durante a votação na especialidade do Orçamento do Estado para 2020, na sequência de propostas do PCP e do PAN que mereceram o voto favorável do PSD.

O PS já anunciou que vai pedir junto do Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva das propostas aprovadas no Parlamento.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de