Miguel Pinto Luz vê "com naturalidade" voto favorável dos deputados da Madeira ao OE2020

Para o candidato à liderança do PSD "os deputados da Madeira só têm uma obrigação: defender os interesses da região".

O candidato à liderança nacional do PSD Miguel Pinto Luz afirmou encarar "com naturalidade" que os deputados do partido eleitos pela Madeira votem a favor do Orçamento de Estado, "sem penalização", para defender os interesses da região.

"Vejo com naturalidade que deputados da Madeira possam defender os interesses da Madeira, sem qualquer penalização, em questões que tenham a ver com a Madeira. Em todas as outras, o interesse nacional sobrepõe-se", disse Pinto Luz à agência Lusa no âmbito da visita de dois dias que termina hoje à região para contactar elementos das autarquias e do Governo Regional

No entender deste candidato, "os deputados da Madeira só têm uma obrigação: defender os interesses da região".

O presidente do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque já afirmou várias vezes que os três parlamentares eleitos pela Madeira poderão votar a favor do OE/2020 se a moeda de troca for a satisfação das reivindicações da região junto do Governo da República socialista.

Pinto Luz considerou que "há muitas formas de votar e viabilizar o Orçamento de Estado", apontando que este é analisado na generalidade e especialidade, sendo um documento que "de facto impacta na vida dos cidadãos da Madeira".

"O Orçamento Regional depende do Orçamento de Estado", realçou, opinando que essa eventual postura dos deputados do PSD "não é uma situação fraturante, absolutamente incontornável que não possa, dentro do PSD encontrar a melhor forma de lidar com a situação".

O candidato também defendeu o "aprofundamento da autonomia" das regiões ultraperiféricas, sustentando que "a Madeira é muito importante para a integridade do território nacional".

"A Madeira tem sido um exemplo nos últimos 40 anos, tem feito um trabalho absolutamente notável na qualidade e vida dos seus cidadãos, liderada por sociais-democratas", realçou.

Por isso, defende no seu programa o "aprofundamento da autonomia, que provou que foi um modelo que funcionou, nomeadamente na Madeira", complementando: "Nos Açores não podemos dizer o mesmo".

"Mas podemos dizer que [a autonomia] atinge uma maioridade capaz de nós podermos refletir outra vez sobre o seu aprofundamento em várias áreas", enfatizou.

Outro aspeto que destacou foram os objetivos para as próximas eleições autárquicas, considerando que Madeira pode reverter a situação de ter perdido sete dos 11 municípios em 2015, porque "houve projetos políticos que não tiveram ganho de causa".

Pinto Luz salientou que "hoje há um ciclo diferente", porque o PSD/Madeira "está a ganhar cada vez mais tração", visto que venceu as últimas europeias, as legislativas e as regionais, o que constitui um elemento de "esperança para as próximas autárquicas",

"Há a ambição de ganhar câmaras emblemáticas, como o Funchal. Acho que há oportunidade de reconquistarmos o Funchal", vincou, prometendo estar ao lado da Madeira e dos Açores que vencer as internas no partido que se realizam a 11 de janeiro.

A entrega das candidaturas termina a 30 de dezembro, sendo conhecidos três candidatos: Rui Rio, Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de