Ministro contraria Zero: 44% das embalagens de plástico foram recolhidas em 2018

Associação Zero tinha avançado que Portugal "só reciclou 12% do plástico dos resíduos urbanos"

O ministro do Ambiente e Ação Climática garantiu esta terça-feira que os dados de 2018 sobre reciclagem de embalagens de plástico indicam que 44% dessas embalagens foram recolhidas para reciclagem.

"Em 2018 foram introduzidas 163 mil toneladas de embalagens de plástico no mercado. Dessas foram recolhidas para reciclagem 72 mil toneladas, dá 44%, esse é o valor que temos para 2018", disse João Pedro Matos Fernandes, questionado pelos jornalistas à margem da apresentação em Lisboa de um Pacto para os plásticos que envolve mais de meia centena de entidades.

Aproveitando o lançamento do pacto, a associação ambientalista Zero tinha alertado que em 2018, "Portugal só reciclou 12% do plástico dos resíduos urbanos", ou seja, só 72 mil toneladas de um total de 600 mil toneladas.

Matos Fernandes contrariou as contas da Zero mas admitiu que há muito trabalho para ser feito, sendo que a assinatura do Pacto, juntando entidades que representam todo o ciclo do plástico, "demonstra isso mesmo".

Mas a ambição de Portugal, acrescentou, é ir neste setor além do que impõem as diretivas europeias, querendo ultrapassar metas que a Europa fixa para 2025.

A União Europeia também fixa metas para retirar do mercado um conjunto de produtos de plástico de uso único, que o Governo também já se comprometeu em antecipar. Matos Fernandes disse que em junho vai sair legislação que fará com que produtos como talheres e pratos de plástico, cotonetes ou palhinhas "desapareçam do mercado até final deste ano civil".

Hoje, em comunicado, o Ministério do Ambiente já tinha precisado, no seguimento do comunicado da associação Zero, que em 2018 a quantidade de embalagens de plástico colocadas no mercado declaradas pelas três entidades gestoras (Sociedade Ponto Verde, Novo Verde e Eletrão) foi de 163.039 toneladas, sendo que a quantidade reciclada, que é declarada pelas mesmas três entidades, foi de 72 360 toneladas.

"Estes números resultam numa taxa de reciclagem de embalagens de plástico de 44,3% em 2018", diz-se no comunicado.

E acrescenta o Governo que os números divulgados pela Zero "refletem um exercício distinto, mas que não reflete o esforço da reciclagem".

"A Zero parte do valor total de produção de resíduos urbanos em Portugal em 2018 -- 4,95 Milhões de toneladas aproximadamente -- e aplicam os dados da caracterização física dos resíduos, em que se considera 11,5% serem plásticos, o que inclui, não só embalagens, mas todo o tipo de plástico. Chegam assim a um valor de cerca de 600 mil toneladas", diz-se no comunicado.

Susana Fonseca, da Zero, que também esteve na apresentação do Pacto, disse aos jornalistas que a associação calculou o plástico produzido e desse quanto era reciclado.

"O único plástico que vai para reciclar são as embalagens, o plástico que é recolhido através dos ecopontos ou recolha porta a porta, que depois é relatado nos relatórios da Sociedade Ponto Verde e outras entidades gestoras. O que fizemos foi uma conta muito simples e dá que de todo o plástico que encontramos nos resíduos urbanos apenas 12% está a ser enviado para reciclagem".

A responsável admitiu que "uma coisa é todo o conjunto de plásticos e outra é pensar só nas embalagens", porque "há plástico que não é embalagens", e disse que também neste caso há um diferendo com o Governo, basicamente porque a Zero não acredita que todas as embalagens que entram no mercado são declaradas às entidades gestoras.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de