Ministro da Defesa? Rio pede demissão de "quem colocou na praça pública" exoneração do chefe da Armada

Rui Rio sublinha que quando se perceber "quem colocou tudo isto na praça pública, seja o ministro ou outra pessoa, tem que se demitir".

Rui Rio entende que o responsável pela alegada exoneração do chefe do Estado Maior da Armada (CEMA) tem de pedir a demissão. Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, e sem nunca referir nomes, o líder do PSD explicou que as Forças Armadas não mereciam ser humilhadas na praça pública.

"Quem colocou esta matéria na praça pública contribuiu para o desprestígio das Forças Armadas, numa altura em que saíram prestigiadas pela atuação muito positiva do vice-almirante Gouveia e Melo. Relativamente à exoneração do CEMA, carece de uma explicação", disse.

Rui Rio sublinha que quando se perceber "quem colocou tudo isto na praça pública, seja o ministro ou outra pessoa, tem que se demitir".

Na terça-feira à noite, fontes ligadas à Defesa Nacional disseram à agência Lusa que o Governo iria propor ao Presidente da República a exoneração do chefe do Estado-Maior da Armada, almirante Mendes Calado, cargo que ocupa desde 2018, tendo sido reconduzido para mais dois anos de mandato com início em março deste ano.

A agência Lusa noticiou também que o vice-almirante Gouveia e Melo, que coordenou a equipa responsável pelo plano de vacinação nacional contra a Covid-19, era o nome que o Governo iria propor para substituir o atual chefe do Estado-Maior da Armada.

Marcelo Rebelo de Sousa falou, depois, em três equívocos, para explicar que o almirante Mendes Calado vai deixar o cargo, "mas não agora", lembrando que a decisão é sempre do Presidente da República.

"Há um momento adequado para falar de substituição, que não é este", declarou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de