Ministro pede desculpa aos utentes pelo caos nos transportes

No Parlamento, Pedro Nuno Santos pediu desculpas a quem "é afetado pelas supressões e atrasos" nos comboios e prometeu plano para a CP. BE diz que "aula de autoajuda não chega".

Em final de legislatura, o Governo surge em modo de autocrítica ( como ontem fez António Costa ) e de contrição, com o ministro das Infraestruturas a pedir desculpas pelo incómodo causado pelas "supressões e atrasos" nos comboios , durante o debate de urgência sobre as supressões nos transportes públicos urbanos e suburbanos requerido pelo Bloco de Esquerda.

"As minhas palavras vão no sentido de endereçar um pedido de desculpas às pessoas cujo dia a dia é afetado pelas supressões e atrasos nos comboios urbanos e suburbanos", disse Pedro Nuno Santos, do alto da tribunal parlamentar, defendendo que o "serviço público existe para ajudar o povo a organizar a sua vida com previsibilidade e conforto".

O ministro promete um plano de curto e médio prazo para a CP, em concertação com o ministério das Finanças.

"Nós estamos a trabalhar com as Finanças para a breve prazo apresentarmos um plano de recrutamento, com investimento no nosso material circulante e com um contrato de serviço público", garantiu o ministro das Infraestruturas que aponta como objetivo "travar a degradação de material circulante através do aumento da capacidade de resposta oficinal da empresa e do recrutamento de trabalhadores para o efeito".

"Os portugueses confiam nos transportes públicos no dia-a-dia para irem trabalhar, para levarem os seus filhos à escola, ou simplesmente para passear", disse Pedro Nuno Santos admitindo que " em alguns casos estamos em falta".

Pedro Nuno Santos atualmente com o pelouro dos Transportes já foi o pivot da relação parlamentar com os parceiros da esquerda hoje muito críticos do estado de degradação, da falta de soluções e de "uma situação dramática" nos transportes , sobretudo "nos barcos, comboios e autocarros"como disse esta manhã à TSF a deputada Joana Mortágua.

Durante o debate, o líder parlamentar do Bloco de Esquerda Pedro Filipe Soares disse recear "o travão de Mário Centeno" e considerou que são necessárias "solução imediatas e céleres".

"O Governo veio em modo zen para este debate mas a verdade é que não é um aula de autoajuda, um workshop de mindfulness que acaba por não resolver o problema da falta de comboios, de autocarros ou de barcos", ironizou o deputado bloquista.

"Dizer tranquilamente, 'o problema não és tu, sou eu' também não ajuda a melhorar a relação difícil que as populações estão a ter no acesso aos serviços públicos", disse Pedro Filipe Soares defendendo que as soluções devem ser "imediatas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de