"Primeiro dia da mudança." Moedas fala em "asfixia de cansaço" da governação socialista

Carlos Moedas, que assinalou uma das vitórias mais marcantes para o PSD neste mandato, aquando das autárquicas, estará pouco tempo no Congresso Nacional devido à agenda cheia, mas terá tempo para um abraço a Rio e também a Rangel.

Carlos Moedas disse gostar "muito" de estar no 39.º Congresso Nacional do PSD, mas ficará por pouco tempo, apenas por motivos que se prendem com a "agenda". O presidente da Câmara Municipal de Lisboa garantiu, no entanto, à entrada para o segundo dia do Congresso em Santa Maria da Feira, que haverá tempo para abraçar Rui Rio e também Paulo Rangel.

O autarca salienta que é importante unir o partido, que foi o que fez o PSD ganhar as autárquicas em Lisboa. Aliás, este é um aspeto destacado por Moedas: foi a união que possibilitou a vitória na maior autarquia do país.

Moedas garante que se deslocou a este encontro para agradecer a união e a esperança renovada na sua eleição na maior Câmara do país. "Estou aqui para dar um grande ânimo ao partido, para dar um abraço a Rui Rio, mas também a Paulo Rangel."

Falando também da possibilidade de vitória de Rui Rio nas legislativas de 30 de janeiro, Moedas fala de uma "asfixia de cansaço" sentida devido à governação socialista, e sustenta que os portugueses querem mudança. "Este é o primeiro dia da mudança", vaticinou.

ACOMPANHE NA TSF O 39.º CONGRESSO DO PSD

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de