Montenegro diz que hoje é o dia de escolher o sucessor de António Costa

O candidato à liderança do PSD referiu ter visto "mais entusiasmo, mais chama, mais alma" nesta campanha interna do que na última campanha do PSD para as eleições legislativas.

O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro disse na sexta-feira, em Aveiro, que este sábado é o dia para escolher o sucessor do primeiro-ministro, António Costa.

"Amanhã [hoje, sábado] não é o dia para eleger alguém que vai preparar o seu sucessor, porque já está a pensar que vai perder as próximas eleições. Amanhã é o dia de escolher o sucessor do doutor António Costa e é para isso que eu cá estou. É para isso que eu quero que o PSD lute. É para isso que eu quero que o PSD se organize", afirmou Montenegro.

No regresso ao distrito por onde sempre foi eleito como deputado da Assembleia da República durante 16 anos, Montenegro referiu ter visto "mais entusiasmo, mais chama, mais alma" nesta campanha interna do que na última campanha do PSD para as eleições legislativas.

"É uma honra muito grande regressar hoje a casa 30 mil quilómetros depois de ter iniciado esta campanha e poder dizer aos meus amigos, aos meus companheiros do distrito de Aveiro, que tem valido a pena, está a valer a pena e vai valer a pena todo o esforço, toda a energia, toda a convicção, toda a mobilização que fomos capazes de fazer", vincou.

Perante uma plateia de centenas de pessoas, o antigo líder parlamentar dos sociais-democratas reiterou que o seu adversário é António Costa, adiantando que está preparado para ser primeiro-ministro depois das próximas eleições legislativas.

"O meu adversário é o primeiro-ministro António Costa, porque eu me quero candidatar ao lugar que ele hoje ocupa, para fazer melhor do que ele, para dar a Portugal mais condições para criar riqueza e a poder redistribuir", afirmou.

Num discurso de pouco mais de meia hora, o candidato à liderança do PSD criticou o Governo PS, considerando que é o que "mais impostos cobrou até hoje" e o que "oferece menos serviços públicos", apontando várias injustiças e desigualdades em diversas áreas, como a saúde, educação e transportes.

"Este Governo tem de ser contrariado, tem de ser denunciado, tem de ser confrontado com alternativas políticas para um dia deixar de ser Governo", destacou Montenegro, que espera que o PSD possa governar o país "em tempos de normalidade, pela força das suas ideias e funções".

No plano interno do partido, o candidato disse que é preciso saber conviver democraticamente dentro do PSD, respeitando todos os que pensam de forma diferente.

"É preciso dizer que aqueles que pensam diferente de nós não devem sair do nosso partido. Devem colaborar com as suas ideias e enriquecer o debate interno para fortalecer as nossas propostas junto da sociedade", defendeu.

Luís Montenegro vai disputar com o atual presidente do PSD, Rui Rio, e com o vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz, a presidência do partido nas eleições diretas deste sábado. Se nenhum dos candidatos obtiver "a maioria absoluta dos votos validamente expressos", 50%, a segunda volta realiza-se uma semana depois, dia 18, entre os dois candidatos mais votados.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de