Na hora da despedida, Cristas assume: "Falhei o resultado"

A líder centrista reconhece culpa pelos maus resultados do CDS e dirige um "obrigada" sentido aos congressistas. Na intervenção de despedida, Cristas assumiu que sai "triste pelo resultado, mas tranquila" por saber que deu "tudo o que podia" por aquilo em que acredita.

Assunção Cristas reconheceu, esta manhã, que "falhou o resultado" da estratégia que propôs enquanto líder do CDS e "a análise das possibilidades" tendo em conta as circunstâncias políticas vividas. Na intervenção de abertura do 28º congresso do partido, em Aveiro, a presidente centrista dirigiu-se aos delegados, analisando o que apelidou de "oposição combativa à inação do governo" protagonizada pelo partido que liderou nos últimos anos, reconhecendo que "não bastou (ao partido) ter propostas permanentes".

"Cumpri o caminho traçado e a estratégia proposta, mas cumpre-me hoje reconhecer uma evidência: falhei o resultado. Falhei porventura a análise das possibilidades que se abriam com as novas circunstâncias políticas e os resultados ficaram muito aquém das minhas e das vossas expectativas", asseverou Cristas.

"Uns dirão que a a estratégia estava errada, outros que se cometeram erros táticos ou de comunicação ou que falhámos na avaliação das circunstâncias. Ouvi atentamente muitas análises e, naturalmente, tenho a minha própria", disse a presidente do CDS, defendendo que "este não é o momento nem o dia apropriado para dissecar os erros deste roteiro". "O tempo encarregar-se-á dessa análise detalhada", rematou.

Diante de uma sala cheia, Cristas dirigiu aos congressistas um sentido "obrigada", "de gratidão pelos últimos anos", "pela confiança", pelo "esforço e apoio" que teve do partido.

"Obrigada a todos os militantes, que durante estes quatro anos deram o seu melhor para os resultados serem outros, e muito em particular obrigada aos dirigentes nacionais, distritais e concelhios, aos nossos autarcas e aos nossos funcionários", agradeceu a ainda presidente centrista, sob fortes aplausos, estendendo o "obrigada" aos simpatizantes do partido, bem como a Nuno Magalhães e a Cecília Meireles, antigo e atual líder da bancada parlamentar, respetivamente.

Garantindo acreditar que "o CDS saberá construir um grande futuro", Cristas reconheceu depois sair da liderança "triste pelo resultado, mas tranquila por saber que deu tudo o que podia por aquilo em que acredita".

"Não me desiludi porque nunca tive ilusões e sempre soube que em política nunca se pode esperar reconhecimento", concluiu, desejando a todos "um congresso extraordinário, que seja clarificador e que possa abrir um futuro luminoso para o CDS".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de