"Não tem condições de se manter como ministro." Ventura acusa Cravinho de ser responsável na nomeação de Alberto Coelho

"Alberto Coelho tinha suspeitas grandes e graves de derrapagem de dinheiro. O ministro João Gomes Cravinho fez-lhe rasgados elogios e ignorou os apelos da oposição para reconsiderar", disse o líder do Chega, sublinhando que o agora ministro dos Negócios Estrangeiros "não tem condições para se manter como ministro do Governo de António Costa".

Alberto Coelho, alto quadro do Estado que durante seis anos liderou a Direção-geral de Recursos da Defesa Nacional, terá sido detido por suspeitas de ser o principal responsável por uma teia criminosa que terá lesado o Estado em vários milhões de euros, avançou a CNN Portugal. André Ventura relembra que já havia "grandes e graves suspeitas de derrapagem de dinheiro" e afirma que o antigo ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, "é cúmplice de toda a situação" por ter permitido a nomeação de Alberto Coelho.

"Alberto Coelho tinha suspeitas grandes e graves de derrapagem de dinheiro. O ministro João Gomes Cravinho fez-lhe rasgados elogios e ignorou os apelos da oposição para reconsiderar", disse o líder do Chega, sublinhando que o agora ministro dos Negócios Estrangeiros "não tem condições para se manter como ministro do Governo de António Costa".

"Havia documentos que comprovavam a derrapagem de dinheiro. É uma situação que prejudica a imagem da Defesa Nacional. António Costa deve questionar o seu ministro, porque não tem condições para se manter no cargo", considera Ventura.

"Este é o culminar de uma investigação de vários anos, que mostra a teimosia, a prepotência e a incapacidade do Governo do Partido Socialista em lidar com o escrutínio e a oposição", acrescentou.

A Polícia Judiciária realizou esta terça-feira 59 buscas relacionadas com suspeitas de práticas criminosas no exercício de funções públicas em Lisboa, Porto, Alter do Chão, Almada e Comporta, que resultaram em cinco detenções. Outras 19 pessoas foram constituídas arguidas.

Numa nota enviada à TSF, o ministério da Defesa Nacional confirma que foi um dos alvos destas buscas "no âmbito de averiguações a atos praticados entre 2018 e 2021" e assegura "total colaboração com as autoridades".

Entre os detidos estará, segundo a CNN, Alberto Coelho. Segundo uma auditoria da Inspeção-Geral da Defesa Nacional - a que TSF teve acesso em abril de 2021 - as obras para a construção do Centro de Apoio Militar Covid-19 custaram três vezes mais do que o previsto, despesa autorizada por Alberto Coelho apesar de não ter competência para tal.

Já em abril deste ano o Ministério Público confirmou a abertura de um inquérito-crime visando Alberto Coelho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de