"Não temos de ter vergonha de ter um excedente orçamental no próximo ano"

O primeiro-ministro refere que o excedente é "apenas uma folga para pagar a dívida sem aumentar impostos ou voltar a cortar salários e direitos".

O secretário-geral do PS recusou hoje ter vergonha do excedente orçamental de 2020, notando que a poupança não serve "para ter um emblema na União Europeia", mas para "gastar onde é necessário gastar", sem aumentar impostos ou cortar salários.

"Não temos de ter vergonha de ter um excedente orçamental no próximo ano. A dívida do país ainda é 119% do PIB [Produto Interno Bruto]. Por isso, esse excedente [no Orçamento de Estado] é apenas uma folga para pagar a dívida sem aumentar impostos ou voltar a cortar salários e direitos", afirmou António Costa, no Porto, no discurso de abertura da reunião da Comissão Nacional.

Destacando ter acabado "com o mito de que só a direita sabia gerir as contas públicas", o secretário-geral socialista esclareceu que o objetivo de poupar nos juros [da dívida] é "gastar onde é necessário gastar", nomeadamente na Educação ou no Serviço Nacional de Saúde.

A proposta de Orçamento do Estado de 2020, que prevê o primeiro excedente da democracia (0,2% do PIB), foi entregue pelo Governo na Assembleia da República em 16 de dezembro e começa a ser discutida em plenário na generalidade na quinta-feira, sendo votada no dia seguinte.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de