Nuno Artur Silva já vendeu as Produções Fictícias

O novo secretário de Estado desfez-se da empresa de produção audiovisual que fundou, a três dias de entrar para o Governo.

O indigitado secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Média, Nuno Artur Silva já não é acionista das Produções Fictícias e, consequentemente, do Canal Q. A venda da sua participação na empresa que fundou pretende colocar um ponto final na polémica suscitada sobre um possível conflito de interesses.

Contactado pela TSF, o antigo administrador da RTP confirma que vendeu "a empresa às pessoas que a geriram nos últimos anos", nomeadamente desde que foi convidado para a televisão pública, em 2015.

Questionado pela TSF sobre detalhes do negócio da venda da empresa que revolucionou o humor em Portugal, o futuro governante optou por "não fazer mais comentários".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de