Nuno Melo afirma que "as maiores dificuldades começam hoje"

O futuro presidente do CDS-PP disse que o apoio de Paulo Portas e Manuel Monteiro é um "sinal expressivo" e garantiu que também conta com o apoio de muitos militantes da ala da antiga direção.

Nuno Melo afirmou, este domingo, que ter a presença e o apoio dos antigos líderes do CDS Manuel Monteiro e Paulo Portas é "um sinal expressivo". O futuro líder centrista chegou, esta manhã, ao Pavilhão Multiusos de Guimarães, onde decorre o 29.º Congresso do CDS-PP e, à entrada, prestou declarações aos jornalistas, nas quais referiu que o apoio dos antigos presidentes do partido o "anima em relação ao futuro".

"Para mim, relevante é saber que [Manuel Monteiro e Paulo Portas] percebem o momento em que vivemos, a importância dos nossos tempos e quiseram estar aqui a dar um sinal que é muito expressivo", disse Nuno Melo.

O eurodeputado centrista rejeitou também a ideia de que não conta com qualquer nome que apoiava a antiga direção do partido. Nuno Melo garantiu que "há muitíssimos apoiantes da anterior direção que estão nestas listas" e lembrou que o partido "não é feito apenas dos nomes sonantes que gravitam à volta de uma liderança".

O futuro presidente do CDS ressalvou, apesar de tudo, que fez convites a membros da direção de Francisco Rodrigues dos Santos, "que entenderam, neste momento, não estar nos órgãos do partido", o que, defende, "não significa estarem menos empenhados em relação ao que vai ser o CDS".

"Hoje somos só um", sublinhou. "Vamos fazer todos falta para conseguir superar as dificuldades e as maiores dificuldades começam hoje, não foram ontem no congresso", atirou.

A moção de estratégia de Nuno Melo foi a mais votada, obtendo 73% dos votos, esta madrugada, decorrendo agora as eleições para os órgãos nacionais do partido.

*com Francisco Nascimento e Raquel de Melo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de