Nuno Melo defende reconfiguração do CDS para evitar ser aniquilado por nova direita

Segundo Nuno Melo, para o CDS-PP, que teve durante 40 anos os socialistas como adversários e o PSD como rival ou como aliado, "parece evidente que tem de ter o Iniciativa Liberal e o Chega como adversários".

O candidato à liderança do CDS-PP Nuno Melo defendeu uma adaptação do partido à reconfiguração política da Europa, para evitar que seja aniquilado por uma nova direita que quer destruir a democracia em Portugal.

Ao discursar na sessão de abertura da escola de quadros do CDS-PP, em Portimão, o eurodeputado começou por dizer que iria falar da sua experiência política e "honrar o compromisso assumido" com o presidente da escola de quadros, de que "fossem poupadas campanhas internas".

Ao longo da intervenção, Nuno Melo lembrou o CDS-PP como um partido de centro-direita, fundador da democracia, "direita essa que o separa da direita de hoje, que quer destruir a democracia em Portugal".

Depois de recordar as mudanças políticas e o surgimento de novos partidos na Europa e da relação com o PSD, "que não é ambígua, mas que é por vezes circunstancial", o eurodeputado alertou para a necessidade do CDS-PP se adaptar às mudanças para evitar o que sucedeu a partidos do centro em muitos países da Europa.

"Os ventos da História normalmente chegam do centro da Europa para a periferia de Portugal e, quando chegam marcam-nos e afeta-nos", referiu Nuno Melo.

Para o candidato, como "esses ventos chegaram a Portugal, há que evitar "que suceda ao CDS-PP o que aconteceu a muitos partidos de centro em muitos países da União Europeia".

"Durante algum tempo, achámos que Portugal era imune à reconfiguração política na Europa e não o é, e aconteceu. Ou nos adaptamos ou morremos como muitos outros praticamente morreram no centro e na periferia da União Europeia e isso não pode acontecer com o CDS", sublinhou.

Segundo Nuno Melo, para o CDS-PP, que teve durante 40 anos os socialistas como adversários e o PSD como rival ou como aliado, "parece evidente que tem de ter o Iniciativa Liberal e o Chega como adversários".

"Quem nessa direita quer aniquilar o CDS, apouca as nossas lideranças, vai a votos pescando no nosso eleitorado e nos nossos dirigentes, como aconteceu tantas vezes, não pode ser nosso aliado, tem de ser nosso adversário e temos de os combater fortemente, o que significa ter respostas à altura", avançou.

Nuno Melo adiantou que olha para o presidente do Chega, André Ventura, "não como aliado, mas como quem quer aniquilar o CDS-PP".

"Um dirigente partidário que se dirige a um presidente do CDS-PP e lhe chama Chiquinho ou lhe chama menino, não só está à altura do cargo ou a insultar uma pessoa, como insulta o CDS-PP inteiro", destacou.

Na opinião do eurodeputado, o partido "tem de ter mensagens nítidas, a explicar o que esses novos partidos tratam fora do sistema político, porque querem destruir o sistema explorando o pior da natureza humana".

"Tudo isto deve ser tratado pelo CDS-PP dentro do sistema político, porque o queremos melhorar com o tal sentido humanista, personalista e democrata cristão, mas também liberal e conservador, porque nós somos tudo isto", apontou.

De acordo com o eurodeputado, se os eleitores olharem para o CDS-PP e o virem como sempre foi, "não têm razão para procurarem na Iniciativa Liberal o que sempre perceberam dentro do partido, ou nas aventuras do Chega o que o CDS pode tratar melhor".

"Nós não podemos prescindir daquilo que são as nossas marcas, falamos de segurança porque a segurança está no topo das nossas preocupações. Quando o Ventura agora fala da segurança, acha que descobriu a pólvora. Nós estávamos cá e o Ventura ainda estava com os dedos assim [levantou os dedos em forma de V] a gritar PPD/PSD", concluiu.

Depois de na sexta-feira marcar presença na escola de quadros do CDS-PP, Nuno Melo terá iniciativas com militantes este fim de semana em Faro, Setúbal, Lisboa, Caldas da Rainha e Coimbra.

Nuno Melo foi o primeiro dos dois candidatos à liderança do partido a marcar presença na iniciativa organizada pela Juventude Popular (JP), sendo que Francisco Rodrigues dos Santos presidirá este sábado ao encerramento, no Museu Municipal de Portimão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de