"O governo que vier vai ser sempre de salvação nacional"

Líder do PSD espera "tempos muito pesados" no futuro de Portugal.

Com Portugal ainda a braços com a pandemia de Covid-19, o líder do PSD já antevê "tempos muito pesados" no futuro do país.

Em entrevista à RTP e questionado sobre um possível governo de salvação nacional, ou sobre a participação do PSD num hipotético governo dessa natureza, Rio garante "não pensar sobre isso" para já, até porque a prioridade é, aponta o líder social-democrata, "a parte sanitária em primeiro lugar e a parte económica em segundo".

Passada a crise, Rio diz acreditar que "a sociedade terá de debater a composição de um governo de salvação nacional".

"O Governo que vier - que pode ser o mesmo - vai ser sempre de salvação nacional, vamos ter tempos muito pesados", reconheceu.

"Não vai haver orçamentos retificativos de certeza"

Questionado sobre se o PSD viabilizaria um eventual orçamento retificativo, o líder do PSD começou por garantir que "não vai haver orçamentos retificativos de certeza absoluta".

O próximo exercício orçamental, acredita Rio, "será para acrescentar, e [de forma] forte".

"O que vai haver é um orçamento suplementar", considerou o líder do PSD, que ainda assim avisou desde logo que não vai passar "cheques em branco ao Governo", apesar de "toda a solidariedade".

Neste ponto, o presidente do PSD foi ainda mais longe, dizendo que pretende viabilizar essa eventual proposta do executivo.

"Quero que o Governo apresente um Orçamento suplementar que seja viabilizável, porque tem de ser. E vamos ter uma latitude muito grande para aceitar o Orçamento suplementar", declarou.

"Não podemos aceitar tudo e mais alguma coisa", explicou o social-democrata, que pediu que se mantenha o "rigor de dar muito dinheiro a muita gente, mas tem de ser".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de