Ódio nas forças de segurança é "impróprio de uma sociedade democrática civilizada"

Presidente da República revelou que ainda não viu a polémica reportagem.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que ainda não viu a reportagem sobre os discursos racistas e de ódio dos polícias nas redes sociais, mas considera que essa é uma das situações que não é própria de uma democracia.

"Foi aberta uma investigação, que deve ser levada até ao fim. A xenofobia, as discriminações e aquilo que é, de facto, um ataque a setores da sociedade portuguesa são intoleráveis porque são impróprias de uma sociedade democrática a civilizada", explicou Marcelo.

Um consórcio de jornalistas de investigação divulgou uma reportagem de Pedro Coelho, Filipe Teles, Cláudia Marques Santos e Paulo Pena na SIC, no Setenta e Quatro, no Expresso e no Público, que mostra que as redes sociais são usadas para fazer o que a lei e os regulamentos internos proíbem, com base em mais de três mil publicações de militares da GNR e agentes da PSP, nos últimos anos.

Na quarta-feira foi divulgado que a Inspeção-Geral da Administração Interna vai abrir um inquérito à veracidade das notícias que referem a publicação, por agentes das forças de Segurança, de mensagens nas redes sociais com conteúdo discriminatório e que incitam ao ódio.

Numa nota do gabinete do ministro da Administração Interna é dito que José Luís Carneiro determinou à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) "a abertura de inquérito, imediato, para apuramento da veracidade dos indícios contidos nas notícias de hoje [quarta-feira] sobre a alegada publicação, por agentes das forças de segurança, de mensagens nas redes sociais com conteúdo discriminatório, incitadoras de ódio e violência contra determinadas pessoas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de