Operação Marquês. Três ex-ministros interrogados no início de dezembro

A Operação Marquês conta com 28 arguidos - 19 pessoas e 9 empresas -, entre os quais o ex-primeiro-ministro José Sócrates.

O interrogatório dos ex-ministros socialistas Mário Lino, Maria de Lurdes Rodrigues e António Mendonça, arrolados por José Sócrates como testemunhas na fase de instrução da Operação Marquês, foi adiado para o início de dezembro.

No processo, consultado hoje pela agência Lusa, o interrogatório dos ex-governantes e também Raul Vilaça, as quatro testemunhas arroladas por José Sócrates, estava inicialmente marcado para 25 e 26 de novembro, imediatamente antes do arguido Carlos Santos Silva, que vai começar a ser interrogado a 27, mas o juiz adiou para dezembro as diligências.

O juiz de instruções considerou que a inquirição das testemunhas poderia ser adiada, até porque, necessitava de tempo para preparar o interrogatório do empresário Carlos Santos Silva, um dos principais arguidos do processo, que poderá demorar mais do que uma sessão.

Segundo um despacho de Ivo Rosa, Mário Lino, ex-ministro das Obras Públicas de 2005 a 2009, vai ser interrogado a 02 de dezembro, às 14:00 horas, e Raul Vilaça Moura, presidente do júri do concurso das PPP da RAVE Rede Ferroviária de Alta Velocidade) do troço Poceirão/Caia, às 15:30.

O debate instrutório, fase pública da instrução, está marcado para as tardes dos dias 27, 28, 29 30 e 31 de janeiro de 2020, no Campus de Justiça de Lisboa.

A Operação Marquês conta com 28 arguidos - 19 pessoas e 9 empresas -, entre os quais o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o banqueiro Ricardo Salgado, o empresário e amigo de Sócrates Carlos Santos Silva e altos quadros da Portugal Telecom e está relacionado com crimes de corrupção, ativa e passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados