"País não quer saber se a líder do CDS faz atum com arroz"

Líder demissionário do CDS-PP de Ovar discorda da continuidade de Assunção Cristas à frente do partido depois do resultado obtido nas Europeias.

O presidente da comissão política do CDS-PP de Ovar, Fernando Camelo Almeida, que hoje renunciou ao cargo, garante que não volta ao mesmo enquanto Assunção Cristas estiver na liderança do partido. O ex-líder concelhio discorda da continuidade de Cristas na liderança nacional do CDS depois do resultado nas eleições europeias de domingo.

"O país não quer saber se a líder do CDS faz atum com arroz, vai à missa todas as semanas e quantos filhos tem. Quer saber que ideias e projetos tem para o país, qual é o espaço político do CDS - se é de direita conservador ou se é liberal", critica em declarações à TSF. Fernando Camelo Almeida acrescenta que o partido "não ocupa um espaço concreto" e que "se vai ajustando conforme a conveniência populista".

Questionado sobre se tem conhecimento de outros militantes que partilhem da sua posição em relação à liderança do partido, o ex-líder concelhio admite que embora existam "muitos militantes e dirigentes que estão descontentes", poucos serão os que se manifestarão numa altura em que as listas do partido para o sufrágio de outubro estão em construção. Ainda assim, reconhece que essa atitude se sente dentro do partido: "Há falta de entusiasmo e discordância com a liderança."

Fernando Camelo Almeida deixa ainda críticas à posição de Cristas perante Nuno Melo, acusando a líder centrista de "auto ilibar-se", deixando que o cabeça de lista às Europeias assumisse "sozinho toda a responsabilidade".

Sobre a continuidade de Cristas até às legislativas, admite que não fica chocado, reforçando que teria ficado bem à líder "ter tirado ilações" dos resultados das Europeias.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados