PAN responde a "piscar de olho" de Costa mas quer perceber até onde "o Governo está disposto a ir"

A líder do PAN escusou-se a comprometer-se com o PS para uma solução governativa, considerando que o elogio de António Costa à atuação deste partido é "o fruto do reconhecimento" do trabalho na Assembleia da República.

A líder do PAN foi questionada sobre o debate entre Costa e Rio, durante o qual o líder do PS admitiu constituir um Executivo minoritário, procurando acordos no Parlamento diploma a diploma. Costa falou em particular do PAN, que disse ser o único partido, além do PS, que não contribuiu para a crise política, uma vez que se absteve na votação do OE para 2022.

Perante este piscar de olho, Inês Sousa Real diz que a frase de Costa revela o reconhecimento de que o seu partido é responsável. "Nós esperamos que o Governo seja capaz de apresentar um Orçamento que antecipe já também as medidas que tinham sido anunciadas para a especialidade, e que seja mais ambicioso na generalidade", salientou, pedindo mais ambição. "Tal como estava o Orçamento, não podemos acompanhar favoravelmente porque, de facto, ele precisava de ser trabalhado em sede de especialidade."

"É precoce estarmos a falar de um Orçamento que esperamos que não seja um mero 'copy paste' do anterior. Não obstante ter lá medidas de diálogo com o PAN, temos de ter mais ambição face aos desafios que temos pela frente, e temos de perceber até onde o Governo está disposto a ir."

A líder Do PAN reitera que está disponível para acordos desde que algumas propostas do partido sejam acolhidas.

Inês Sousa Real falava aos jornalistas no final de uma visita à Associação de Intervenção Comunitária CRESCER, na Quinta da Cabrinha, em Lisboa, no âmbito de uma ação de pré-campanha com o objetivo de divulgar o trabalho feito por esta organização no diagnóstico e tratamento de doentes com Hepatite C.

Questionada sobre o "piscar de olhos" de António Costa, que quinta-feira afirmou, durante um debate com Rui Rio, que o PS e o PAN poderão somar mais de metade dos deputados, Inês Sousa Real disse que "é o fruto do reconhecimento do trabalho que o PAN tem tido na Assembleia da República".

"Temos sido uma força política responsável, que tem apresentado várias soluções para o país em matérias como o alargamento da tarifa social de energia a mais de cem mil famílias, no apoio às vítimas de violência doméstica, combate à crise climática, com a lei de bases do clima, o alargamento do luto parental; temos estado na charneira daquilo que têm sido as conquistas da Assembleia da República", referiu.

E acrescentou: "É natural que haja esse reconhecimento tendo em conta que o PAN foi a única força política que não atirou a toalha para o chão num momento crítico para o país, que era o do Orçamento do Estado:"

"O país não queria uma crise política por cima de uma crise económica e uma crise também sanitária e o PAN não se furtou à responsabilidade de tentar, pelo menos, que o orçamento do Estado chegasse à fase da especialidade", prosseguiu.

No debate com Rui Rio, Costa recordou que "houve um partido que, juntamente com o PS, não contribuiu para esta crise: o PAN".

A presidente do PAN escusou-se, contudo, a revelar se aceitará fazer parte de uma solução governativa com o PS, remetendo uma resposta para o dia das eleições.

O compromisso do partido, segundo a sua líder, "é para com as suas causas, é o compromisso para o diálogo".

"No dia 30 estaremos disponíveis para conversar e para perceber de que forma é que poderemos avançar mais as nossas causas, estando ou não numa solução governativa", indicou.

E avisou: "Até ao dia 30 não vamos fazer futurologia, no dia 30 vamos perceber qual o resultado eleitoral, quais os compromissos que os partidos estão a fazer. No dia 30 não faltaremos ao país, da mesma maneira que não faltámos no orçamento do Estado."

Sobre o tema da visita que efetuou esta sexta-feira, Inês Sousa Real alertou para o impacto da pandemia de Covid-19 que "arrastou muitas mais pessoas para o contexto de vulnerabilidade e pobreza".

"Portugal tem 2,3 milhões de pessoas em Portugal em risco de pobreza, muitas destas pessoas estão em situação de sem-abrigo e inclusive com comportamentos aditivos", disse, sublinhando a importância de "meios descentralizados e respostas para quem está na rua e tem doenças, como a hepatite C".

E referiu que "estas doenças crónicas e graves têm ficado para trás, por força da Covid-19".

"Desde o primeiro momento da pandemia que já deveriam existir respostas de saúde pública, não só para as doenças graves em contexto hospitalar, mas também a prevenção necessária que deve ser feita, existirem equipas articuladas com as associações para chegar até às pessoas", defendeu.

LEIA AQUI TUDO SOBRE AS LEGISLATIVAS DE 2022

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de